Incubadora de empresas

Graduada em Administração de Empresas (UNIFEMM, 2010)
Graduada em Comunicação Social (PUC-MG, 2013)

Incubadoras de Empresas são instituições que oferecem apoio estratégico nos primeiros anos de funcionamento de uma empresa ou para empresas que já estejam operando. Da mesma forma que uma incubadora recebe recém nascidos, muitas vezes prematuros, e lhes dão um ambiente mais favorável para o seu desenvolvimento até que ele tenha condições de físicas de continuar o crescimento sozinho, uma Incubadora de Empresas vai proteger e ajudar a organização a se desenvolver até que tenha condições de caminhar por si só. Um grande número de Incubadoras é ligado a universidades. Esse recurso é interessante para empreendedores uma vez que, apesar de terem uma boa ideia, grande parte deles não possui experiência administrativa, conhecimento suficiente sobre o mercado, instalações físicas e/ou capital necessário para a abertura e manter a empresa em seus primeiros anos de existência.

A Incubadora de Empresas se originou de um experimento nos Estados Unidos, em 1939, quando Bill Hewlett e Dave Packard receberam incentivos de seus professores da Universidade de Stanford para iniciar sua empresa de equipamentos eletrônicos.

O foco das Incubadoras de Empresas é atender micro e pequenos empresários, mas não está restrita a eles. Podem se candidatar ao apoio de uma Incubadora de empresas:

  • Pessoas físicas que querem abrir seu próprio negócio ofertando ao mercado um produto inovador oriundo de uma tecnologia própria.
  • Empresas já existentes que desejam desenvolver um novo produto com o suporte de uma Incubadora.
  • Uma empresa que deseja abrir outra nova empresa de base tecnológica.

Além disso, é interessante que esses empresários estejam oferecendo ao mercado produtos com significativo grau de inovação. Para se conseguir o suporte de uma Incubadora de Empresas, é interessante que o empresário apresente à instituição o plano de negócios de sua empresa.

Para receber o apoio de uma Incubadora de Empresas, o empreendedor precisa procurar uma incubadora de sua preferência e ver quais os documentos e informações são solicitadas por ela para que a empresa seja aceita. Tais informações são repassadas ao Conselho da Incubadora (responsável pela definição de critérios e parâmetros para a seleção dos empreendimentos candidatos que serão acolhidos pela incubadora). O Conselho irá avaliar as perspectivas técnicas e econômicas do negócio. Para que o negócio seja admitido na Incubadora de Empresas, o negócio precisa ser considerado viável e haver vagas na Incubadora. Não havendo vagas disponíveis, o empreendimento vai para uma lista de espera.

Uma vez na Incubadora, a empresa ficará por um prazo de dois anos e sua entrada no mercado será realizada de forma planejada e gradual, além de receber orientação de especialistas contratados pela Instituição gestora da Incubadora.

Uma empresa incubada não está livre de riscos. Ela está sujeita a eles da mesma forma que qualquer outra empresa. No entanto, inserido em uma Incubadora, o empreendedor correrá riscos calculados, podendo ter a chance de inovar e, caso não dê certo, aprender com os erros e tentar novamente.

Outros benefícios oferecidos pelas Incubadoras de Empresas são: espaço físico preparado especialmente para alojar as empresas incubadas, serviços geralmente difíceis de serem encontrados por empreendedores que enfrentam sozinhos o mercado, instalações de suporte tais como: salas de reunião, auditórios, área de demonstração de produtos, secretaria, bibliotecas, etc. que são disponibilizados por universidades, entidades de pesquisa, iniciativas privadas e ou órgãos do governo.

É importante destacar que ser uma empresa incubada não significa receber subsídios ou algum outro incentivo por parte dos governos municipal, estadual e federal.

Por outro lado, uma empresa incubada recebe suporte em várias árias como: assistência jurídica, marketing, gestão empresarial, gestão tecnológica, assessoria contábil, captação de recursos, elaboração de contratos com financiadores, comercialização de produtos ou serviços, orientação acerca da propriedade intelectual, etc.

Referências bibliográficas:

BIAGIO, Luiz Arnaldo. Empreendedorismo: Construindo seu projeto de vida. Barueri, SP: Manolo, 2012.

DOLABELA, Fernando. O Segredo de Luísa. 30. ed. São Paulo: Editora de Cultura, 2006.

MAXIMIANO, Antônio Cesar Amaru. Administração para Empreendedores: Fundamentos da criação e gestão de um novo negócio. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2006.

SEBRAE. Como As Incubadoras de Empresas Podem Ajudar o Seu Negócio. Disponível em:<http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/artigos/as-incubadoras-de-empresas-podem-ajudar-no-seu-negocio,f240ebb38b5f2410VgnVCM100000b272010aRCRD>. Acesso em: 16 de out. 2016.

Arquivado em: Administração