Kanban

Graduada em Administração de Empresas (UNIFEMM, 2010)
Graduada em Comunicação Social (PUC-MG, 2013)

Kanban é uma palavra de etimologia japonesa que significa “cartão ou cartaz”. Na Administração de produção, o sistema kanban, criado pela Toyota, é uma ferramenta essencial na aplicação do sistema Just-in-time e é considerada de grande importância para um sistema de produção enxuta. Podemos entendê-lo como um recurso de gerenciamento visual para dar ordens de produção e controlar a movimentação dos fluxos de produção. Como pode ser observado, o kanban se trata de uma ferramenta de informação. Juntamente com o Just-in-time, vai contribuir para que a empresa produza o produto correto, no tempo e quantidade exatos.

Dentre as vantagens do sistema kanban, temos:

  • Simplificação do trabalho administrativo;
  • Mais autonomia para o chão de fábrica;
  • Facilidade de compreensão;
  • Identificação dos materiais em processo;
  • Permite maior flexibilização nas alterações de mix de produtos;
  • Economia de espaço;
  • Evita desperdícios;
  • Fácil aplicação;
  • Baixo custo.

De maneira simples, podemos descrever na prática a utilização de cartões kanban da seguinte forma: os cartões são afixados em cada container de itens produzidos. Em cada um dos containeres há uma porcentual das necessidades diárias de produção para um item. Assim que um container é esvaziado, o cartão é retirado dele e colocado em um painel. O container vazio é levado para uma área de armazenamento enquanto o cartão sinaliza a necessidade de produção de mais um container da peça. Quando ele for reabastecido, o cartão volta a ser afixado no container. Assim que o usuário recupera o container abastecido com as peças e com o cartão afixado, o processo se repete.

Como pode se observar, essa ferramenta apresenta maior aplicabilidade em organizações que possuem padronizações de processos e sistemas seriados de produção. Ela não é recomendada para empresas que possuem um processo não repetitivo ou solicitação imprevisíveis de produtos.

Podemos distinguir dois tipos de kanban conforme suas características de aplicação: o kanban de movimentação ou transferência e o kanban de produção. No primeiro caso, ele pode ocorrer entre unidades, plantas ou empresas diferentes. O kanban serve para identificar o material que está em movimento, controlando o circuito de peças. É mais utilizado quando há grandes distâncias de movimentação. No segundo caso, a ferramenta é utilizada como ordem de produção entre processos. Sua aplicação é mais comum quando se trata de produtos seriados ou itens de consumo. Aqui, ele serve para gerenciar estoques e necessidades dentro da unidade.

Para o bom funcionamento do sistema kanban, é recomendável seguir as seguintes orientações:

  • Refugos e retalhos não podem circular com cartões;
  • O número de peças dentro de cada container deve ser padronizado;
  • Containeres ou produtos não devem circular sem cartões;
  • Não se deve realizar a produção sem cartões kanban;
  • A produção deve seguir as sequências dos lotes de fabricação;
  • É vedada a antecipação dos lotes;
  • As quantidades dos ciclos devem ser reavaliadas conforme variações de volume;
  • Estoques de segurança devem possuir cartões de controle específicos;
  • Os cartões não podem ficar parados em estações de trabalho ou em movimentação com os operadores;
  • Qualquer cartão perdido deve voltar imediatamente para o circuito;
  • Os cartões devem ser encontrados somente em caixas de construção de lotes, filas de espera e caixas ou produtos em estoque ou em circulação.

Bibliografia:

COSTA JUNIOR, Eudes Luiz. Gestão Em Processos Produtivos.1.ed. Curitiba: InterSaberes, 2012.

LEE J.,Krajewski. RITZMAN,Larry e MALHOTRA, Manoj. Administração de Produção e Operações. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2009.

Arquivado em: Administração