Estilo Gótico

Por Ana Lucia Santana
O estilo gótico, conhecido como a Arte das Catedrais, desenvolveu-se na Europa, especialmente na França, durante a Idade Média, no florescer do Renascimento do Século XII – uma era de transformações políticas, sociais, culturais e econômicas que ocorreu na Europa Ocidental. Este movimento vem se contrapor à severidade da escola anterior, a românica, desenvolvida principalmente em Portugal. A arte gótica vigora na Europa até a chegada do Renascimento Italiano, quando o classicismo romperá com esta linguagem artística.

Na arquitetura surgem os primeiros sinais do nascimento do estilo gótico, que se estende depois por todas as esferas estéticas. Na cultura arquitetônica tem grande peso a espiritualidade, que definirá seus rumos enquanto predominar esta prática. A França, neste período, passa por importantes mutações, tanto nos planos comercial e urbano, quanto na centralização política, sinalizando assim o princípio da crise no sistema feudal. Porém, mesmo neste contexto, a religião ainda sustenta uma grande força, apoiada principalmente nas Cruzadas.

No princípio este movimento é conhecido como Arte Francesa, sendo conhecido por estilo gótico quando se contrapõe aos valores renascentistas, ou seja, em seu declínio. Seu nascimento se dá exatamente durante a reconstrução da Abadia Real de Saint-Denis, entre 1137 e 1144, nos arredores de Paris. Na edificação deste convento já se encontram sinais da exaltação da realeza e do louvor da religião, visando atrair mais crentes para a Igreja. Sua cabeceira é copiada das que existem nas igrejas de peregrinação – com abside, deambulatório e capelas radiantes. A arquitetura passa por um grande avanço neste momento, colaborando com a criação de abóbadas de nervuras, sustentadas por contrafortes externos, liberando assim o interior das igrejas, garantindo-lhes assim uma leveza maior.

A construção de grandiosas igrejas, neste período, sofreu uma grande influência da Escolástica, escola filosófico-religiosa que propiciou um desenvolvimento mais racional da Ciência e estabeleceu Deus como um ser supremo. As paredes cumpriam o papel de base espiritual, enquanto os pilares simbolizavam os santos. Os arcos e as nervuras eram os caminhos que conduziam a Deus. Os vitrais pintados e decorados instruíam o povo, com suas cores, histórias e narrativas extraídas da Bíblia. As construções góticas foram verticalizadas e de certa maneira desmaterializadas, e havia um intenso cuidado com a distribuição da luz no espaço. Houve duas novidades no campo da arquitetura que contribuíram para isso – o arco construído em ponta e a abóbada cruzada, que propiciou recobrir espaços quadrados, curvos ou irregulares. Mas a maior inovação deste estilo foi o arco de ogiva.

Encontra-se a escultura gótica nas fachadas, nos tímpanos e portais das catedrais. Ela aparece como elemento independente na Catedral de Chartres, embora continue ligada à Igreja. Complementar à arquitetura, era produzida independentemente e depois inserida no interior da igreja. Ela buscava expressar o ideal divino, através de formas naturalistas. No início, as estátuas eram desprovidas de movimento, predominava a verticalidade, o que causava uma sensação de invisibilidade. A frontalidade está ausente dessas obras, o que a diferencia das escolas anteriores, e com o tempo elas assumem a idéia de movimento. Surgem as primeiras imagens de diálogos nos portais.

A pintura tinha o objetivo de tocar as emoções de seus observadores ao retratar cenas que transmitem leveza e pureza espiritual, com cores claras e toques naturalistas e simbolistas. A luz iconográfica foi substituída pelos fundos dourados, técnica aplicada também na pintura mural, nos retábulos e nas iluminuras dos livros. Presente inicialmente nos vitrais das catedrais, a pintura adaptou-se à inevitabilidade das narrativas educativas do interior das igrejas. Após o apogeu desta modalidade, as iluminuras retornam ao palco principal da pintura.

Leia também:

Fontes:
http://www.historianet.com.br/conteudo/default.aspx?codigo=163
http://pt.wikipedia.org/wiki/Estilo_g%C3%B3tico