Japonismo

O japonismo foi um temo criado na segunda metade do século 19 como uma forma de explicar o crescimento das estampas “ukiyo-e” (baseadas em um estilo de pintura similar a xilogravura desenvolvida no Japão ao longo do período Edo), de objetos decorativos e artísticos japoneses que acabaram influenciando os meio artísticos ocidentais com ênfase na Europa e nos Estados Unidos.

Representando um papel importante na evolução de artes decorativas, pinturas e arquitetura do século XIX e começo do século XX, o japonismo foi uma nova forma encontrada pelos artistas para se livrarem de imposições acadêmicas e criarem novas formas de expressão. Além da crescente produção de objetos artesanais no Japão, o japonismo cresceu quando houve as Exposições Internacionais de 1862, 1867 e 1878 nas cidades de Paris e Londres, sendo a gravura japonesa a manifestação artística mais citada pelos europeus.

Apesar de uma distância de aproximadamente três séculos entre a cultura japonesa e a cultura ocidental, a cultura do Japão foi entrando aos poucos no cotidiano de diversos outros países. Porém, antes disso, manteve-se fechada e sua produção foi muito prolífica. Antes da abertura, os japoneses criaram formas originais de expressão artísticas ligadas à tradição militar, cotidiano e religião. Além disso, com a ausência de influências ocidentais, foram desenvolvidas técnicas originais e peculiares de produção e expressão artística.

Apesar da forte influência da arte japonesa no Ocidente, o japonismo não pode ser equivocadamente chamado de cópia. É, na verdade, um encontro entre duas culturas por muito tempo separadas, que acabou rendendo uma série de novidades e obras de arte conceituadas como a pintura de Van Gogh, pintor pós-impressionista neerlandês, a partir da gravura A ponte sob a chuva, de Hiroshige, pintor e gravador japonês.

“Uma das consequências desses ventos inovadores do Oriente foi nada menos que a criação da escola Bauhaus, na Alemanha, em 1919, divisor de águas na história da arquitetura e do design contemporâneos”, explica Maria Emilia Kubrusly em matéria para o Jornal Folha de S. Paulo.

Além destes importantes movimentos artísticos, o japonismo também influenciou a Art Nouveau,  o Impressionismo  e pintores como Degas, Manet, Seurat, Gauguin, Bonnard, Mucha e Matisse. Bons exemplos de pinturas onde fica evidente a influencia oriental são "Portrait de Emile Zola",1868, de Manet e "La Japonaise au Bain",1864, de Tissot.

Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Japonismo
http://historiadesign.wordpress.com/category/movimentos/japonismo/
http://www1.ci.uc.pt/iej/alunos/2001/arte/jap.htm
http://www1.folha.uol.com.br/fsp/morar/mr2706200806.htm

Arquivado em: Artes, Pintura