Principais Constelações

Por Caroline Faria
Antes de saber quais são as principais constelações que existem no firmamento precisamos primeiro definir a que área estamos nos referindo: astronomia ou astrologia? Ambas são completamente diferentes. A primeira é uma ciência que estuda a posição dos corpos celestes, seu movimento, composição e etc., baseada em dados científicos e experimentos. Já a segunda, trata-se de uma crença muito antiga de que a vida das pessoas aqui na Terra é influenciada pela posição dos astros no momento de seu nascimento, ou mesmo pela posição deles no dia-a-dia.

Se nos referirmos à astrologia, então definir as principais constelações é fácil. São as doze constelações que compõem o Zodíaco: faixa no céu por onde o sol, a lua e os planetas têm sua órbita aparente durante o ano e, que é dividida em 12 casas de acordo com a posição aparente do sol nessa faixa nos 12 meses do ano.

As constelações do Zodíaco são, tradicionalmente: Peixes, Libra, Aquário, Touro, Escorpião, Câncer, Sagitário, Virgem, Leão, Áries, Gêmeos, Capricórnio. Mas, uma décima terceira constelação foi acrescentada ao zodíaco, embora não seja utilizada como tal, a constelação de Ofiúco (o serpentenário). Essa constelação, embora já fosse conhecida na antiguidade, não foi acrescentada ao zodíaco porque estava situada muito longe da região zodiacal. Mas, com a precessão dos equinócios, ela hoje se situa entre Libra, Escorpião e Sagitário.

Já, se nos referirmos às constelações astronômicas (que também incluem as 12 do zodíaco), devemos antes, salientar que das 88 constelações classificadas pela União Astronômica Internacional nem todas podem ser vistas dos dois hemisférios. Desta forma, podemos dizer que as principais, no hemisfério sul, são: Órion, a mais fácil de se localizar pelo fato de três das estrelas que a compõem serem bem características (as Três Marias); e o Cruzeiro do Sul, talvez a constelação mais famosa do hemisfério sul e também fácil de se localizar. No hemisfério norte, as principais são: Ursa Maior e Ursa Menor, também são facilmente identificáveis, mas apenas no hemisfério norte. Uma das estrelas que compõem a Ursa Menor, a Estrela Polar (Polaris) está quase que situada sobre o pólo norte celeste, por isso, quando observamos essas duas constelações durante toda a noite, conseguimos observar as outras constelações como que girando em torno delas por causa do movimento de rotação da terra. Mas esse movimento é bem relativo.