Narcotráfico na Ásia

Por Fernando Rebouças
Segundo a ONU (Organização das Nações Unidas), apesar de avanços no combate ao cultivo da papoula no Leste e Sudeste Asiático, os países da região voltaram a registrar crescimento no cultivo da planta que é utilizada como matéria prima do ópio, uma das drogas mais consumidas na região e em outras partes do mundo. Os dados foram identificados a partir de 2008.

Além da papoula, que teve um grande auge em 2007, houve crescimento no tráfico e no consumo  de meta-anfetaminas e na produção do ecstasy (MDMA). Considerando a venda de drogas pela internet, a Índia tornou-se numa das principais fontes de drogas vendidas ilegalmente, atendendo não somente o mercado interno, mas também consumidores de outros países, cuja encomenda é enviada por portadores ou pelo correio.

Além da distribuição desses produtos ilegais, o mercado de meta-anfetaminas do Sudeste Asiático passou a contar com a atuação de quadrilhas internacionais provindas da África e do Irã, segundo documento publicado pela ONU, por meio de seu escritório de Drogas e Crimes.

A ATS (anfetamina) e as metanfetaminas são as drogas mais difundidas no Sudeste e no Leste da Ásia a partir dos anos 1990, conseguindo substituir as drogas mais antigas como heroína, ópio e maconha.

Diferente das drogas produzidas a partir de plantas, os estimulantes que estão conquistando maior aceitação são estimulantes mais fáceis de fabricar, com substâncias químicas que exigem baixo investimento e grande lucro.

Em 2010, a maioria dos países dessa região asiática teve um aumento no consumo de drogas em 2010, com crescimento na fabricação de entorpecentes, nessa mesma época, houve a interdição de 442 laboratórios, cuja ação não intimidou o crescimento desse mercado ilegal.

As quadrilhas africanas, que antes traficavam cocaína e heroína, se especializaram no tráfico de ATS, incluindo a oferta de ecstasy. Essas quadrilhas foram pegas atuando em países como Indonésia e Camboja.

O Afeganistão, apesar dos conflitos civis recentes, ainda é um dos maiores produtores do mundo de ópio, boa parte de sua produção é consumida por países vizinhos, como Paquistão, Irã, Rússia e até na Europa. Segundo números publicados em 2002, pela ONU, a produção afegã já respondia por 75% da heroína consumida no mundo, e de 90% dessa droga consumida na Europa.

Fontes:
http://janusonline.pt/2003/2003_2_3_8.html
http://www.estadao.com.br/noticias/internacional,africanos-e-iranianos-impulsionam-narcotrafico-na-asia-diz-onu,804432,0.htm
http://www.bbc.co.uk/spanish/extra0006drogastrafico7.htm
http://oglobo.globo.com/mundo/relatorio-da-onu-aponta-tendencias-no-narcotrafico-3049221