Celestino V

Mestrado em História (UFJF, 2013)
Graduação em História (UFJF, 2010)

Celestino V foi um dos papas que por menos tempo ocupou o cargo de Supremo Pontífice.

Em 1292, faleceu o papa Nicolau IV. Abriu-se, então, o processo de escolha do novo cardeal que ocuparia o cargo máximo da Igreja Católica. Na ocasião, a escolha foi bastante demorada, o processo desenvolveu-se por dois anos. Embora o conclave contasse com apenas 12 membros votantes, a eleição foi demorada e a reunião dessas autoridades do cristianismo foi suspensa por causa da epidemia de peste que se espalhou e ameaçava a todos, fazendo como vítima, inclusive, um dos cardeais. Não bastasse a longa demora na escolha e a epidemia que forçou uma suspensão do conclave, havia também uma guerra entre as famílias Orsini e Colonna. A primeira era uma das mais importantes famílias da Itália durante a Idade Média e também durante o Renascimento. Ao longo de séculos, foi a mais importante família real italiana. No decorrer do século XIII, fizeram uma aliança com o papado que fez desenvolver uma forte tradição e sucesso da família. Quando houve uma disputa política entre o papado e o império, os Orsini ficaram do lado do papa, rivalizando, assim, com a família Colonna. Tradicionalmente, os rivais dos Orsini eram Colonna, o que levou a disputas brutais.

A solução ao caso do novo papa só foi alcançada no dia cinco de julho de 1294, quando Pietro Angeleri foi nomeado papa. O eleito era um frade membro da Ordem de São Bento que vivia em reclusão e era conhecido por ser um espiritualista radical e um asceta. Pietro era proveniente de uma família camponesa modesta e passou grande parte de sua vida vivendo como eremita no monte Morrone, onde participou da fundação de uma congregação de monges chamados celestinos. Em função disto, adotou o nome papal de Celestino V.

Celestino V nunca havia estado em Roma, fez uma entrada triunfal montado em um burro em Áquila. Porém, desacostumado com jogos de poder, o novo papa não possuía a habilidade e a malícia necessárias para governar a Igreja Católica. Era fraco e submisso. Foi facilmente convencido por Carlos II de Anjou, rei de Nápoles, a se mudar para seu reino e distribuir cargos e privilégios para os amigos. Visivelmente, Celestino V não era ajustado para o cargo de Supremo Pontífice da Igreja Católica. De tal modo que, no mesmo ano, foi pressionado pelo cardeal Benedicto Caetani até abdicar do posto no dia 13 de dezembro. Desde o princípio, sua fragilidade para governar foi sentida, a família Caetani se aproveitou disso e conseguiu eleger, já no dia 24 de dezembro, o papa sucessor, que receberia o nome de Bonifácio VIII. Este, ao assumir o cargo, aboliu a congregação de monges criada por Pietro e enviou seu antecessor para uma vida de reclusão. Há suspeitas, inclusive, que Bonifácio VIII tenha mandado envenenar Celestino V, em 1296. Clemente V, em 1313, canonizou o papa Celestino V.

Fonte:
DUFFY, Eamon. Santos e Pecadores: história dos Papas. São Paulo: Cosac & Naify, 1998.

Arquivado em: Biografias