Floresta Amazônica

Curta e Compartilhe!


Por Monik da Silveira Susçuarana

A Floresta Amazônica é a maior floresta tropical do mundo. Ocupa cerca de 600 milhões de hectares, cobrindo nove países, sendo mais da metade no território brasileiro. Em território nacional constitui a Amazônia Legal, que inclui os estados do Pará, Amazonas, Roraima, Amapá, Rondônia, Acre e parte dos estados do Maranhão, Mato Grosso e Tocantins.

Encontra-se nas baixas latitudes, recebendo uma forte entrada de energia solar e um abastecimento quase constante de massa de ar úmido. O clima é equatorial, com temperaturas médias muito altas e chuvas abundantes que caem o ano inteiro.

É na região amazônica que se encontra a maior bacia hidrográfica do mundo, tendo como principal rio o Amazonas, o maior rio do mundo em extensão e volume de água. Outros rios grandes, médios e pequenos atravessam essa região. Estima-se que cerca de 20% das águas doces do planeta circulam na bacia Amazônica.

Os solos apresentam baixa retenção de nutrientes, pois a grande quantidade de chuvas lixiviam esses solos, retirando seus nutrientes. Porém, uma fina camada de nutrientes se forma a partir da decomposição de folhas, galhos, frutos e animais mortos, sendo muito importante para as plantas da região.

Apesar dos solos quimicamente pobres, a vegetação da Floresta Amazônica é exuberante, densa e perene, pois os poucos nutrientes do solo são absorvidos rapidamente pelas raízes das árvores, que os liberam novamente para o solo, realizando uma constante e rápida ciclagem de nutrientes.

Basicamente existem três tipos de formações vegetais:

  • Mata de terra firme - localiza-se em áreas mais elevadas, não atingidas por inundações periódicas. As árvores são de grande porte e determinam a fisionomia da comunidade, representadas pela castanheira, mogno, angelim, andiroba, cedro e outras. Existe também elevada quantidade de cipós, plantas herbáceas e epífitas, palmeiras, liquens e musgos.
  • Mata de várzea - localiza-se em terras mais baixas e está sujeita a inundações periódicas. Nas partes mais altas as árvores são capazes de suportar inundações por alguns meses. Elas brotam quando a água está baixando e florescem e dão frutos quando a água está subindo. Os solos são mais férteis, pois no período de cheia as águas depositam sedimentos ricos em nutrientes nesses solos. Destacam-se árvores como o cumaru, seringueira e jatobá.
  • Mata de igapó – localiza-se em terrenos baixos próximos aos rios, onde os solos estão quase sempre alagados. A vegetação é baixa com árvores afastadas e adaptadas ao ambiente alagado, como a palmeira jauari (Astrocaryum jauari). A vitória-régia também é encontrada nesse ambiente.

A fauna da Floresta Amazônica é riquíssima. Inúmeras espécies de mamíferos, aves, répteis, anfíbios, peixes e invertebrados habitam esse ambiente. Onças, macacos, ariranhas, jacarés, tucanos e cobras são alguns desses animais.

O desmatamento da Floresta Amazônica reduz sua biodiversidade, além de empobrecer os solos e poluir os rios, entre outros impactos. As atividades agropecuárias, madeireiras e de mineração, as queimadas e o contrabando de animais são as principais ameaças a essa floresta. Estima-se que a floresta já perdeu quase 20% do seu tamanho original.