Enzimas

Por Cristiane Zoller
As enzimas são consideradas pequenas proteínas complexas, mas que apresentam longas cadeias de aminoácidos unidos por ligações peptídicas.

Essas pequenas proteínas são de extrema importância para o funcionamento de nosso organismo, sem elas nosso corpo se tornaria paralisado e perderia suas funções. Sem essas pequenas partículas as funções das vitaminas e minerais se tornariam inexistente.

Elas desempenham papéis essenciais como:

  • atuam no processo de digestão dos alimentos, conhecidas como “enzimas digestivas” e na absorção dos alimentos;
  • desempenham a função de construção de proteínas maiores;
  • contribuem na desintoxicação do corpo;
  • atuam na formação estrutural do organismo;
  • contribuem para o crescimento;
  • agem na defesa do organismo;
  • agem sobre o equilíbrio hormonal;
  • atuam sobre o sistema imunológico;
  • participam do funcionamento da atividade cerebral;
  • agem sobre os sentidos: olfato, paladar, visão, audição e tato;
  • agem no sistema circulatório e respiratório, entre outros;

Para que nosso organismo realize adequadamente todas as funções citadas é fundamental manter equilibrados os níveis enzimáticos em nosso organismo.

As enzimas são divididas em dois grupos: endógenas ou internas encontradas no próprio organismo e as exógenas ou externas que são adquiridas através dos alimentos consumidos.

As enzimas são encontradas apenas em alimentos crus, neles, existe a quantidade certa de enzimas digestivas a serem absorvidas pelo organismo, pois, quando os alimentos passam pelo processo de aquecimento e chegam a temperaturas maiores de 45ºC as enzimas desaparecem e esse papel terá de ser desempenhado pelo próprio organismo para que a digestão ocorra normalmente. Portanto, quanto mais comemos alimentos cozidos, maior será o trabalho do organismo na compensação das enzimas perdidas. Mas deve-se deixar claro que, dependendo de nossa alimentação, as reservas de enzimas existentes no organismo podem diminuir ou até mesmo terminar no decorrer dos anos, deixando o organismo mais susceptível ao desenvolvimento de doenças relacionadas a carências enzimáticas.

Existem outras causas que podem reduzir o potencial enzimático além da alimentação, dentre elas pode-se citar: estresse, álcool, uso abusivo de medicamentos, poluição do ambiente e uso exagerado de açúcar refinado.

Quando nosso organismo recebe todos os macro e micro nutrientes adequados e os alimentos são preparados da forma certa, com certeza, ele estará em perfeitas condições e sempre se manterá protegido de patologias e males causados por carências enzimáticas.