Ferro e Anemia

Por André Luis Silva da Silva
O elemento químico ferro é encontrado em praticamente todos os seres vivos, cumprindo diversas funções metabólicas. Por exemplo, algumas proteínas contém o grupo hemo, moléculas que consistem na ligação da porfirina com átomos de ferro. As mais comuns dentre elas são a hemoglobina, molécula responsável pelo transporte de oxigênio para as células, e a mioglobina, molécula que armazena o oxigênio transportado.  A molécula de hemoglobina localiza-se no interior das células denominadas hemácias ou glóbulos vermelhos, as quais constituem o sangue, o qual possui coloração vermelha em virtude da presença do elemento químico ferro.

É possível também encontrar-se organismos que apresentam moléculas de proteínas nas quais átomos de ferro se enlaçam entre si por meio de pontes de oxigênio, as quais são identificadas por Fe-O-Fe, o que é o caso de algumas bactérias metanotróficas, que utilizam o gás metano como fonte de energia.

Sabe-se hoje que tanto o excesso quanto a deficiência de ferro podem causar sérios problemas ao organismo humano. O excesso de ferro é conhecido como hemocromatose, e ocorre quando a alimentação é rica deste mineral e o organismo apresenta alta tendência em absorvê-lo.  A sua deficiência, mais popular do que o seu acúmulo, é chamada de anemia. A palavra anemia, entretanto, apesar de hoje estar popularmente associada à carência de ferro, não é utilizada unicamente para esta denominação. Quando se refere à carência específica deste elemento, a demoninação mais acertada é anemia ferropriva.

Nos processos de transfusões sanguíneas são utilizados algumas moléculas ligantes que formam com o ferro moléculas de alta estabilidade, evitando assim a ocorrência demasiada de ferro livre. Esses ligantes são denominados de sideróforos, e são as moléculas que muitos organismos utilizam para capturar o ferro de que necessitam. Também os antibióticos apresentam conhecida propriedade de impedir a formação de ferro livre disponível, sendo muitas vezes empregados para mesmo fim.

A carência do elemento químico ferro pode causar no organismo humano, além da popular anemia, também anorexia, sensibilidades ósseas a temperaturas baixas, irritabilidade e problemas de crescimento. Seu excesso pode também ser perigoso, podendo provocar problemas digestivos, cansaço extremo e dores de cabeça.

Alguns elementos químicos possuem a propriedade de inibir a absorção de ferro pelo organismo, como, por exemplo, o magnésio quando presente em quantidades bem mais elevadas do que ele, ou ainda o zinco e o cálcio. A carência de vitamina A também dificulta a absorção de ferro pelo organismo. O contrário, componentes químicos que auxiliam o organismo na obsorção do ferro também são conhecidos. São ácidos orgânicos fracos, entre os quais merece destaque o ácido ascórbico, popularmente conhecido por vitamina C.

Referências:
RUSSELL, John B.; Química Geral vol.1, São Paulo: Pearson Education do Brasil, Makron Books, 1994.
SARDELLA, Antônio; MATEUS, Edegar; Curso de Química: química geral, Ed. Ática, São Paulo/SP – 1995.
MAHAN, Bruce M.; MYERS, Rollie J.; Química: um curso universitário, Ed. Edgard Blucher LTDA, São Paulo/SP – 2002.