Economia da Bolívia

Por Thais Pacievitch
A economia boliviana (cuja moeda é o boliviano) está baseada nas indústrias de petróleo e de gás, na mineração, na agropecuária e numa indústria que poderia estar mais desenvolvida e diversificada. É uma economia que explora seus recursos e os exporta. Historicamente a Bolívia dependeu da exportação de zinco, estanho, gás natural e soja.

A agricultura tem um grande peso na economia daquele país (representa 15% do PIB e emprega cerca de 5% da população). Os principais produtos agrícolas são: açúcar, arroz, soja, café, milho, batata, e cereais como a cevada e a quínua ( cereal originário daquela região e extremamente nutritivo).

As riquezas minerais do país estão situadas nas regiões de Potosí, La Paz e Oruru, onde se encontra estanho (a Bolívia é o 4° maior produtor mundial), prata, cobre, tungstênio, antimônio, zinco, etc. Nas regiões de Santa Cruz e Beni, estão localizadas as jazidas de ferro e ouro (cerro San Simón). Das terras baixas tropicais vêm pedras, tais como: bolivianita, ayoreita, anahita, ametista, e milenium.

A produção de hidrocarbonetos está localizada em Cochabamba, Santa Cruz, Chuquisaca e Tarija. A produção de petróleo abastece o mercado interno e o gás é exportado para o Brasil e a Argentina.

A escassa indústria boliviana representa 35% do PIB. Suas áreas de atuação são: manufatura, produção de açúcar e derivados, artigos de couro, papeleira, cimento, moveleira, de vidros, explosivos e outras. 80% destas indústrias estão situadas em Santa Cruz de La Sierra, La Paz e Cochabamba.

No tocante às exportações, os grandes parceiros da Bolívia são: Brasil, Argentina, Venezuela, Colômbia, Peru, Japão e EUA. Bolívia faz parte dos seguintes tratados de livre comércio: Comunidade Andina (CAN), Mercosul e Tratado de Livre Comércio da América do Norte (Nafta).

O turismo na Bolívia tem sido muito pouco explorado, mesmo contando com muitos atrativos, como os salares, por exemplo. Hoje, o turismo está concentrado ao redor de La Paz, Cochabamba e santa Cruz.

O PIB boliviano, em 2.007, foi de 39,78 bilhões de dólares. O PIB per capita chegou a 4.400 dólares e a taxa de crescimento real foi de 4%. 60% da população vivem abaixo do nível de pobreza. A taxa de inflação foi de 12% e a de desemprego atingiu 8%. No mesmo ano, a Bolívia teve uma dívida externa de 3,8 bilhões de dólares e a taxa de crescimento da produção industrial chegou a 1,1%.