Drogas do Sertão

Por Felipe Araújo
No período em que o Brasil foi colonizado, os portugueses verificaram, na Amazônia, a existência de uma grande variedade de recursos naturais que incluíam raízes, frutas e diversos tipos de plantas. Uma das formas com que os colonizadores aumentavam este conhecimento era o contato com os nativos da terra, que já faziam uso e sabiam do potencial culinário e curativo de vegetais, que ficaram conhecidos como drogas do sertão.

No início do século XVI, a colonização das Américas ainda não era efetiva. Na Europa, havia uma imensa procura por especiarias que, até então, eram buscadas nas Índias. Os europeus utilizavam estes produtos para comer, temperar, fabricar manufaturas e como remédios. A procura por estes recursos naturais era tão grande que os conquistadores ibéricos buscavam uma rota que ligasse o comércio das Índias à Europa.

Os portugueses, ao verificarem a presença destes produtos na Amazônia, acabaram encontrando uma solução para substituir as especiarias das Índias. As terras amazônicas apresentavam uma grande riqueza de recursos naturais. Pode-se considerar como drogas do sertão os seguintes produtos: gordura do peixe-boi, ovos de tartaruga, araras e papagaios vivos, jacarés, lontras, peles de felinos, castanhas, ervas com propriedades curativas, fibras, tinturas, baunilha, poaia, urucum, guaraná, cravo, cacau e outros condimentos.

O valor destas especiarias era tão grande que também estimulava atividades ilegais. Margaret Presser, no livro “Pequena Enciclopédia para Descobrir o Brasil”, explica esse processo: “O valor que tinham na Europa não era ignorado por traficantes e contrabandistas de várias origens. Desde o século XVI eles já chegavam à Amazônia pelo rio Amazonas e comercializavam com os indígenas. Foi para combatê-los, aliás, que as autoridades portuguesas mandaram construir o forte do Castelo e a cidade de Belém do Pará, em 1616, e o forte São José do Macapá, no Amapá, em 1764”.

Para a extração destes recursos, as missões de jesuítas utilizavam o conhecimento e o trabalho dos nativos. Entre todas as drogas encontradas na Amazônia, a mais importante foi o cacau, que chegou, até mesmo, a ser utilizado como moeda. Após algum tempo, o marquês de Pombal inicia um programa de cultivo da agricultura que incentivava a atividade por meio das companhias comerciais.

A decadências do “ciclo das drogas” no país deu-se com a atitude do Marquês de Pombal em expulsar os jesuítas. Além disso, existiam muitas divergências entre os clérigos e os colonos. Apesar da diminuição da extração destes recursos, alguns continuaram a ser explorados, como a borracha, importante produto que ajudou na integração nacional.

Fontes:
PRESSER, Margaret. Pequena enciclopédia para descobrir o Brasil. Rio de Janeiro: Senac, RJ, 2006.
AZEVEDO, Antonio Carlos do Amaral. Dicionário de nomes, termos e conceitos históricos. 3ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.