Dragões da Independência

Por Fernando Rebouças
Os Dragões da Independência são 1º Regimento de Cavalaria de Guardas (1º RCG), é uma unidade militar que pertence ao Exército Brasileiro, estando ligada ao Regimento de Cavalaria do Exército.

A sua principal função é realizar a guarda do presidente da República Federativa do Brasil, estando os Dragões da Independência sempre presentes no evento de posse presidencial, desfile de 7 de setembro e demais ocasiões especiais. A segurança que eles prestam é simbólica, pois o presidente é protegido por uma equipe de seguranças treinada e atualizada.

Os Dragões têm sua origem na Guarda de Honra criada em 1808, com a Vinda da Família Real Portuguesa, por D. João VI. Em 1822, depois da independência do Brasil, a guarda passou a ser referida como Guarda de Honra.

Somente me 1946, depois da Segunda Guerra Mundial, a guarda passou a ser referida como “Dragões da Independência”, passando a atuar em Brasília a partir de 1966. Na História do Brasil, os Dragões, ainda como Guarda de Honra Real,  foram testemunhas do Grito do Ipiranga de 7 de setembro de 1822, expressado por D.Pedro I e retratados na pintura de Pedro Américo.

Em sua vestimenta, os Dragões da Independência utilizam o estilo de fardas do século XIX, com cores branco e vermelho, provenientes da tradicional cavalaria imperial portuguesa. Depois da Proclamação da República, a tradição desse regimento foi recuperada a partir de 1916, por meio dos esforços do então deputado federal Gustavo Barroso, que também era historiador e favorável à manutenção das tradições brasileiras.

O deputado federal Gustavo Barroso apresentou em 1917, à Câmara dos Deputados, via projeto de lei, uma solicitação para formar a unidade de segurança em obendiência à cronologia do 1º Regimento de Cavalaria de Guardas.

O projeto foi aprovado em 1927, pelo Senado Federal, sendo autorizado o desfile do regimento nas festividades e desfiles do dia 7 de setembro de 1927. As fardas foram confeccionadas tendo como base as peças e modelos das fardas oficiais da Imperial Guarda de Honra que pertecnciam ao Museu Histórico Nacional.

Foram adcionadas adapatações como a substituição das letras P e I (referentes a Pedro I) por uma estrela no capacete, e também substituiram as armas do Império pelas armas da República no talhim. Os capacetes possuem penachos de vários cores que determinam a hierarquia da tropa:

  • O branco (comandante do Regimento);
  • O verde (Fanfarra);
  • O amarelo (oficiais até o posto de subcomandante);
  • O vermelho(praças).

Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/1%C2%BA_Regimento_de_Cavalaria_de_Guardas
http://www2.camara.gov.br/agencia/noticias/ADMINISTRACAO-PUBLICA/192180-DRAGOES-DA-INDEPENDENCIA-SAO-ATRACAO-DA-CERIMONIA-DE-POSSE.html