Epistemologia de Bachelard

Licenciatura Plena em Química (Universidade de Cruz Alta, 2004)
Mestrado em Química Inorgânica (Universidade Federal de Santa Maria, 2007)

O termo epistemologia se refere ao estudo sobre a produção do conhecimento. Quando se menciona, no entanto, a epistemologia das ciências, se está abordando os pensadores que se preocuparam em investigar como se constrói um conhecimento de natureza científica. Dentre eles, Bachelard é considerado uma dos mais eminentes e contemporâneos.

Gaston Bachelard nasceu em 1884 na França, na zona rural. Trabalhou no serviço postal francês durante algum tempo. Lecionou física durante muitos anos. Defendeu uma tese intitulada “Um Ensaio sobre o Conhecimento Aproximado”, em 1917. Morreu em Paris, em 1962.

Buscar-se-á propor um breve resumo sobre os principais conceitos em Bachelard, através dos itens abaixo:

  • Bachelard apresenta o espectro epistemológico, afirmando que a ciência oscila dentro de um espectro pré-definido.
  • Destaca o pluralismo das ciências.
  • Aponta que a filosofia da ciência é, por natureza, aberta.
  • Pensar cientificamente é uma ferramenta para marcar histórias na elaboração dos conceitos científicos.
  • Aponta para a existência de obstáculos epistemológicos, ou seja, o problema do conhecimento deve ser colocado em termos de obstáculos.
  • Na formação do espírito científico, o primeiro obstáculo é  a experiência primeira.
  • O espírito científico deve formar-se reformando-se, e de nenhuma outra forma.
  • Bachelard destaca-se ao não aceitar nada em ciências como definitivo.
  • Apresenta conceitos novos, como substancialismo (ideia de substância), animismo (dar vida à matéria), imagismo (excesso de imagens).
  • Na educação, o obstáculo pedagógico é o obstáculo epistemológico na sala de aula. Dessa forma, o problema reside nas raízes do que julgamos ser o conhecimento.
  • Apresenta o que viria a ser conhecido como a Filosofia do Não, segundo a qual a experiência nova diz não à experiência antiga.
  • Este não nunca é definitivo para um espírito que sabe dialetizar seus princípios.
  • Surge não como uma atitude de recusa, mas como de reconciliação.
  • Suas idéias sugerem um construtivismo, e não um negativismo.
  • O conhecimento científico é sempre a reforma de uma desilusão. Essa abordagem, em particular, foi e ainda é origem de uma vasta abordagem literária.
  • O que sabemos é fruto da desilusão com aquilo que julgávamos saber.
  • De acordo com seu conceito de Espírito Científico, somente se pode construir-se destruindo aquilo que é não-científico.
  • A objetividade científica só é possível quando se rompe com o objeto imediato, quando se rechaça a sedução da primeira escolha, quando se contradiz os pensamentos que nascem da observação.

Referências:
MOREIRA, Marco Antônio; MASSONI, Neusa Teresinha; Epistemologias do Século XX, EPU, São Paulo, 2011.

Arquivado em: Ciências