Glaciologia

Por Fernando Rebouças
Estudar a composição das geleiras ou das regiões glaciares é a principal missão da glaciologia. A glaciologia estuda, principalmente, a composição do gelo e a marca da composição atmosférica de tempos remotos.

Além de estudar o gelo e os seus fenômenos naturais, é considerada uma ciência pertencente à geografia física. Em tópicos de estudo, a glaciologia abrange a história glacial, a reconstrução de padrões de glaciação de tempos passados, causas e consequências das geleiras e o clima, mobilidade do gelo, formas de vida presentes no gelo e processos de erosão e geomorfologia.

Dentro dos estudos da glaciologia há duas categorias distintas, a glaciologia alpina e a glaciologia continental. A alpina refere-se às concentrações de rios congelados situados entre os vales, e a continental às concentrações não confinadas, são concentrações de gelo acumulado sobre superfícies de continentes do hemisfério norte.

Num conceito mais popular, a glaciologia estuda o gelo e a neve encontrados na natureza. A glaciologia possui certa importância no Brasil, pelo nosso país estar próximo à Antártida , o que expõe o território brasileiro às interferências de massas de gelos antárticos. Sabe-se que a Antártida representa cerca de 90% de todas as geleiras do mundo com mais de 25 milhões de quilômetros cúbicos de gelo.

A Antártida reserva em suas camadas de gelo registros naturais da composição química já existente na atmosfera do planeta Terra, referida como a história do clima. Esse histórico, também encontrado na Groenlândia,  são umas das principais matérias de pesquisa na glaciologia.

Cilindro de Gelo - © C. Delhaye/CNRS Photothèque/IPEV

O primeiro glaciólogo brasileiro é Jefferson Simões, autor de “A história da Terra através do gelo”. É coordenador do Núcleo de Pesquisas Antárticas e Climáticas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, um grupo composto por cerca de trinta doutores e mestres que estudam o chamado “testemunhos do gelo” - esse estudo monitora os efeitos do aquecimento global no continente da Antártida.

Os “testemunhos de gelo” lida com a coleta de gelo em terreno onde há menor interferência climática a atmosférica. Esses pedaços de gelo são capazes de oferecer informações químicas sobre a história do clima terrestre e das mudanças ocorridas em nossa atmosfera há 5.000 anos. O gelo é coletado por meio de cilindros a 3.000 metros de profundidade.

Além do Brasil, essas pesquisas são realizadas por centro de estudos da Alemanha, EUA, Inglaterra, Rússia, Espanha e Austrália. Entre os emergentes, há estudos realizados pelo Chile e Índia.

Fontes:
http://blog.hsw.uol.com.br/anopolar/2008/06/27/a-importancia-da-glaciologia-num-pais-tropical/
http://pt.wikipedia.org/wiki/Glaciologia
http://www2.cnrs.fr/en/1243.htm
http://www.gdargaud.net/Antarctica/Glacio.html
http://www.ecodebate.com.br/2007/10/25/a-importancia-da-glaciologia-para-entendermos-as-mudancas-climaticas-no-brasil-entrevista-especial-com-jefferson-simoes/