Não exatidão científica em Kuhn: paradigmas

Licenciatura Plena em Química (Universidade de Cruz Alta, 2004)
Mestrado em Química Inorgânica (Universidade Federal de Santa Maria, 2007)

Thomas Kuhn, um dos mais destacados epistemólogos da ciência, nasceu em Cincinatti, Ohaio, em 1922. Realizou graduação e doutorado em Física em Harvard, onde também lecionou, mas logo o seu interesse mudou da física categórica para a filosofia da ciência. Além de Harvard, lecionou em Berkeley, Princeton e MIT. Faleceu em 1996 (MOREIRA e MASSONI, 2011).

A associação de paradigma científico ficou muito associado ao nome de Kuhn, mas englobam o principais conceitos na epistemologia kuhniana, além dos paradigmas, a ciência normal, a revolução científica e a incomensurabilidade.

Como uma definição para paradigmas, segundo o próprio Kuhn (1962), pode-se mencionar as realizações científicas universalmente reconhecidas que, durante algum tempo, fornecem problemas e soluções exemplares para uma comunidade de praticantes de uma ciência. Essa abordagem deixa claro que não é correto atribuir-se como conceituação para um paradigma um conjunto de regras específicas para se fazer ciência. As regras é que derivam do paradigma, segundo Kuhn, mas os paradigmas vem primeiro, e podem dirigir a pesquisa científica, mesmo em casos de ausência total de regras. Para Kuhn, a existência de um paradigma tampouco precisa implicar a existência de qualquer conjunto estabelecido de regras. Percebe-se mesmo que a busca de tal conjunto de regras, capaz de constituir uma tradição determinada do que fazer e do que não fazer em ciências, acaba mesmo tornando-se uma fonte de frustração profunda e contínua.

Segundo Chalmers (1999), um paradigma incorpora um arcabouço conceitual específico através do qual o mundo é visto e no qual ele é  descrito, além de um conjunto de técnicas experimentais e teóricas para tornar possível a correspondência entre o paradigma e a própria natureza. Mas não há razão, e nem possibilidade, para que essa correspondência seja perfeita. É nesse momento surge a primeira visão kuhniana a respeito de uma não exatidão científica.

Segundo Moreira (2011), Kuhn reconheceu em um pós-escrito de sua obra principal que nela havia usado o conceito de paradigma de maneira ambígua, distinguido, então, dois sentidos para esse conceito, um mais geral que ele chamou de matriz disciplinar e outro mais restrito, que chamou de exemplar. O termo “disciplinar” por que se refere a uma posse comum aos praticantes de uma determinada disciplina, já “matriz” por que é composta de elementos ordenados de várias espécies, cada um dos quais exigindo uma determinação mais pormenorizada. Por exemplares, Kuhn aponta para as soluções concretas de problemas que os alunos encontram desde o princípio de sua educação científica, em todos os meios acadêmicos.

Referências:
KUHN, Thomas. A estrutura das revoluções científicas. 5. ed. São Paulo: Perspectiva,1998.

MOREIRA, Marco Antônio; MASSONI, Neusa Teresinha, Epistemologias do Século XX, EPU, São Paulo/SP – 2011.

CHALMERS, A. F. (1999). O Que é Essa Coisa Chamada Ciência, Afinal? São Paulo: Ed. Brasiliense. Tradução do Original: What is this thing called Science? 1976, University of Queensland Press.

Arquivado em: Ciências