Noética

Por Ana Lucia Santana
Cada vez mais as pessoas se interessam por temas referentes à cura pela fé, ao poder da oração, ao papel do potencial mental no desaparecimento de doenças como o câncer, em experiências pós-morte, nas quais alguns enfermos atravessam o espaço que conduz a outra dimensão e retornam à vida, entre outras apaixonantes e intrigantes questões.

A Noética é um dos novos ramos da Ciência que pretende, através do método teórico-experimental, descobrir as respostas para várias destas indagações milenares; ela busca inclusive, por meio de inúmeras experiências científicas, comprovar a existência da alma e da vida depois da morte. Visando este fim, diversas práticas experimentais procuram mensurar a relação mútua entre consciência e corpo físico.

Estas pesquisas indicam que a mente não está restrita ao campo cerebral, ela transcende a matéria orgânica e se expande em outras direções. Por quais dimensões ela caminha ainda não é possível precisar. E resta a cada um identificar mente e alma ou, de alguma forma, distinguir ambas.

As expressões ‘noese’ e ‘noético’ procedem da palavra grega ‘nous’, que tem o sentido de mente, inteligência ou modalidades intuitivas do saber. A noética é fruto da interação entre diversas disciplinas, as quais investigam em conjunto as esferas da ciência, da saúde, da relação entre a mente e o corpo material, a psicologia transpessoal, integral e convencional, a arte, as terapias consideradas holísticas, que estudam o Homem em sua totalidade, as ciências sociais e a espiritualidade.

O Instituto de Ciências Noéticas é uma fundação direcionada para a realização de pesquisas que abordam os temas acima delineados, concedendo subsídios para pesquisadores e estudiosos destes assuntos. O objetivo é atrair o interesse de outros investidores que também optem por financiar acadêmicos neste campo e, assim, ampliem a quantidade de estudos e projetos que se enquadram na esfera da Noética, acelerando o ritmo de desenvolvimento desta ciência do futuro.

Enquanto isso, diversas perguntas permanecem ainda sem respostas definitivas, comprovadas cientificamente, entre elas o significado e o mecanismo de funcionamento da intuição; a relação entre o poder de criação e o potencial mental ainda não desenvolvido; o papel das experiências extra-sensoriais no dia-a-dia do Homem; de que forma o ser humano pode encontrar sentido na sua existência, entre outros inúmeros questionamentos.

Este instituto norte-americano não visa lucros e é financiado por integrantes de todo o Planeta. Ele foi criado pelo astronauta Edgar Mitchell,  tripulante da Apolo 14, em 1973, depois de uma vivência pessoal com questões que envolvem a relação entre mente, matéria e espírito, os quais ele acredita que estão integrados em uma Unidade. A partir desta experiência ele intuiu que deveria aprofundar os conhecimentos sobre a consciência do Homem e entender melhor as forças em ação nestas correlações.

Mitchell sentiu que para isso seria necessário dilatar e até mesmo subverter os paradigmas da Ciência, para que assim fosse possível gerar uma teia mundial favorável à paz e à sustentabilidade. Desta forma nasceu o Instituto de Ciências Noéticas, que tem como meta principal unir ciência e espiritualidade.

Os estudiosos desta esfera defendem a necessidade de investigar o poder ainda desconhecido da mente humana, resgatando antigos conhecimentos esquecidos que anteriormente pertenciam aos campos da magia, do misticismo e da religião.

Desta forma eles retomam questões ancestrais e as enfocam do ponto de vista científico, investigando assim temas como dons humanos vistos normalmente como fora dos padrões da normalidade, meditação, metafísica científica, o poder da Intenção, da Atenção e da Intuição, vida com consciência e morte lúcida, entre outros.

Historicamente o Homem se debate, nas mais antigas tradições culturais, espirituais e religiosas, com a tese da divindade interior, do Deus dentro de cada um, perpetuada inclusive pelo Cristianismo. Daí a Noética postular a importância do ser se voltar para si mesmo, descobrindo cada vez mais sobre seu ‘eu interior’, despertando desta forma seu potencial divino. Esta ciência acredita que deste processo advém a futura transformação da Humanidade, baseada no resgate de valores por muito tempo sepultados na poeira do tempo, agora vistos à luz de uma nova compreensão.

Fontes:
http://www.willisharmanhouse.com.br/open.php?id_ses=3&pk=64&fk=65&canal=3
http://www1.folha.uol.com.br/folha/livrariadafolha/ult10082u655246.shtml