História do Cinema nos Estados Unidos

Por Fernando Rebouças
Segundo registros cinematográficos, o norte-americano David W.Griffith (1875-1948), foi o primeiro a utilizar o close dramático e o movimento de câmera, sendo o cineasta que filmou o primeiro longa-metragem americano, em 1915, com o filme “Nascimento de Uma Nação” (The Birth of a Nation), película de 12 bobinas. David W.Griffith aperfeiçoou a interpretação e o registro de cada expressão plástica dos personagens, em sua escola de interpretação formou grandes estrelas.

Antes de 1915, um “truste” empresarial, a Motion Pictures Patentes Company, dominou o mercado da nascente indústria cinematográfica entre 1909 a 1912,abrindo espaço para a produção independente. Faroeste, comédias e melodramas eram os estilos predominantes nas salas de cinema que se espalhavam pelos EUA, entre 1915 e 1920.

Ainda na era do cinema mudo, em 1912, Mack Sennet, produtor de comédias, descobre Charles Chaplin, um mímico que realiza o seu primeiro filme em 1914, na obra “Carlitos Repórter” (Making a living – 1914), cujo personagem tornou-se no mais emblemático na história do cinema. Nesta época, em virtude da Primeira Guerra Mundial, a produção de filmes se fortalece em Hollywood com o surgimento dos primeiros grandes estúdio como a “Famous Players” (Paramont), em 1914, e a “Fox Films Corporations”.

A partir de 1920, a indústria cinematográfica americana se consolida através dos estilos de filmes policiais, musicais e de comédia. Em 1926, o filme “Dom Juan”, de Alan Crosland, é o primeiro filme a sincronizar cenas com sonorização, graças a um equipamento inventado por Lee de Forest em 1907, e comprado pela Warner Brother no mesmo ano da produção do filme.

Nos anos 30, astros, estrelas e gêneros se multiplicam, o cinema sonoro é consolidado, representando 51% da produção. A sonorização se espalha para outros países do mundo na Europa, Ásia e América Latina.

Fontes
http://www.saocarlosoficial.com.br
http://www.webcine.com.br