Retículo endoplasmático

Bacharel em Ciências Biológicas (UNITAU, 2012)
Pós-graduação Lato Sensu em Perícia Criminal (Grupo Educacional Verbo Jurídico, 2014)

O retículo endoplasmático é uma organela membranosa que, muito provavelmente, surgiu à partir da invaginação da membrana plasmática e está presente em todas as células eucariontes. Ela se trata de um complexo e extenso sistema interconectado de membranas, contínuo ao envelope nuclear, podendo se estender por toda a célula. Esse sistema está disposto de maneira a se dobrar diversas vezes formando algo semelhante a canais e/ou sacos que são denominados cisternas.

É possível observar dois tipos distintos de retículo endoplasmático nas células dos eucariotas: o retículo endoplasmático liso e o rugoso. Muito embora se tratem de estruturas diferentes, pode-se dizer que, de maneira geral, suas funções estão relacionadas ao processamento e transporte de moléculas. O processamento ocorre por meio das enzimas ali existentes que realizarão transformações nas moléculas, como, por exemplo, as modificações pós-traducionais das proteínas. Por outro lado, o transporte ocorre justamente pelo fato dessas organelas se tratarem de um sistema interconectado que se espalha pelo citoplasma, podendo endereçar esses “produtos” de um lugar a outro.

Retículo Endoplasmático Rugoso

O retículo endoplasmático rugoso, também conhecido como granular, se comunica diretamente com a membrana do núcleo da célula, isso é, se tratam de estruturas contínuas. A membrana dessa estrutura está associada com diversos ribossomos que têm o aspecto de grãos ou rugas responsáveis pelo nome da organela. Esses ribossomos sintetizam as proteínas que serão transportadas pelo retículo ou processadas e transformadas por enzimas do interior das cisternas, como ocorre na formação de algumas glicoproteínas, por exemplo. O tamanho do retículo endoplasmático rugoso é variável de acordo com a função da célula. Algo que ilustra muito bem isso é o fato dessa organela ser bastante desenvolvida em algumas células secretoras de proteínas, como é o caso das células do pâncreas.

Retículo Endoplasmático Liso

O retículo endoplasmático liso, podendo também ser denominado de agranular, se estende a partir do anteriormente citado e se dispõe de uma maneira mais cilíndrica, tomando a forma de tubos. Ele não possui ribossomos em sua membrana, o que dá a aparência de ser liso. Por essa razão, esse não tem como produto proteína alguma, entretanto também são processadas moléculas de extrema importância. Assim, é aqui que são produzidos fosfolipídeos, gorduras e esteróides. Outro exemplo de processos que ocorrem no retículo endoplasmático liso é modificação de algumas moléculas visando facilitar a sua excreção. Com relação ao tamanho dessa estrutura, também se trata de algo bastante variável, exemplos disso são as células produtoras de hormônios, como a testosterona, possuírem essa organela bem desenvolvida.

Por fim, os retículos endoplasmáticos se tratam de estruturas distintas, mas complementares e bastante relacionadas. Isso se dá por se comunicarem e por terem funções de transporte e processamento.

Bibliografia:
Junqueira, L. C. & Carneiro, J. Biologia Celular e Molecular. 9ª Edição. Editora Guanabara Koogan. 338 páginas. 2012.

Koeppen, B.M. & Stanton, B.A. Berne & Levi - Fisiologia. 6ª Edição. Editora Elsevier. 864 páginas. 2009.

Guyton, A.C. & Hall, J.E. Tratado de Fisiologia Médica. 11ª Edição. Editora Elsevier. 1115 páginas. 2006.

Lopes, S. Bio – Volume Único. 1ª Edição. São Paulo: Editora Saraiva. 606 páginas. 2004.

Arquivado em: Citologia