Templo Maior

Por Tiago Ferreira da Silva
Até hoje a civilização asteca, que povoou a região do México por volta do século XIII e XIV, soa enigmática para estudiosos e historiadores. Muitos deles argumentam que essa civilização tinha uma forte doutrina religiosa, impondo sacrifícios e grandes oferendas para seus deuses. Eles também chegaram a construir complexos arquitetônicos, como pirâmides de degraus, para celebrarem seus rituais religiosos.

Ilustração de como seria o Templo Maior. Logo à sua frente, o Templo de Quetzalcóatl, em forma circular.

A mais conhecida delas, Templo Maior, foi descoberta na década de 1970 no México enquanto trabalhadores de uma siderúrgica escavavam. O monumento começou a ser construído em 1375 e passou por grandes reformas até o ano de 1487, quando foi totalmente finalizado.

Também conhecida como Pirâmide de Tenochtitlán, a obra era especialmente reservada para celebrações religiosas, onde as principais oferendas eram os sacrifícios humanos em massa. No término de sua construção, chegaram a ser sacrificados cerca de 3 mil astecas ao deus sol Huitizilopchtli.

O Templo Maior tinha cerca de 60 metros de altura e uma área equivalente a 250 km². De fato, este templo era parte de um complexo de mais de sete construções e funcionava como epicentro dos cultos religiosos.

Por ter sido descoberto recentemente, não se tem uma data precisa de quando o Templo Maior foi destruído - alguns especialistas acreditam que ele foi posto em ruínas com a invasão dos espanhóis, empreendidas por Hernán Cortez em 1521.

Fontes:
http://es.wikipedia.org/wiki/Templo_Mayor
http://www.mexicomaxico.org/Tenoch/Tenoch2.htm
http://educacao.uol.com.br/historia/ult1690u55.jhtm