História da Folha de São Paulo

Por Fernando Rebouças
Em 1921 é fundado o jornal “Folha da Noite”, e em 1925, o jornal “Folha da Manhã”.

Em 1949, é fundado a “Folha da Tarde”. Os três títulos “Folha da Noite”, “Folha da Manhã” e “Folha da Tarde” se fundem e em 1º de janeiro de 1960, surge o jornal “Folha de São Paulo".

Em 19 de outubro de 1967, a “Folha da Tarde” retorna às bancas. A Folha, nesta fase, inicia a modernização de seu parque gráfico, tornou-se no primeiro jornal impresso em offset do Brasil.

Na década de 70, inicia a impressão na rotativa metro-offset, recém lançada nos EUA. Em 1974, todo o jornal passa a ser feito em fotocomposição.

Na década de 80, assumiu a liderança em circulação no país; em 1983, é o primeiro jornal da América do Sul a informatizar a sua redação. A informatização diminuiu em 40 minutos o processo de produção e fechamento do jornal.

Na década de 90, é o primeiro veículo de imprensa a pedir o Impeachment do presidente Fernando Collor de Mello. Em 1992, Octávio Frias passa a ser o proprietário unitário da empresa Folha, a página do jornal passa a ser impressa colorida todos os dias e são lançados o Caderno Mais e a Revista da Folha.

Em janeiro de 2000, o grupo Folha lança o Brasil On Line (BOL) e o NetGratuita. Em maio de 2000, associado ao Infoglobo, lança o jornal “Valor” de conteúdo financeiro e econômico. O Jornal Folha de São Paulo possui uma circulação média em dias úteis de 300 mil exemplares e 370 mil aos domingos. A filosofia do jornal sempre foi noticiar com pluralismo, apartidarismo, jornalismo crítico e analítico e independência.