O surgimento da Escrita

Por Alaine Silva
A escrita é o resultado do ato de escrever. O dicionário da língua portuguesa descreve o ato de escrever como "1. Pôr, dizer ou comunicar por escrito, 2. Encher de letras, 3. Compor, redigir, 4. Ortografar, 5. Fixar, gravar, 6. (no Brasil)  multar, Dirigir-se por escrito a alguém, 8. Representar o pensamento por meio de caracteres de um sistema de escrita, 9. Formar letras, 10. Ser escritor, 11. (no Brasil) Cambalear ou ziguezaguear, 12. Corresponder-se, cartear-se”. 

O sistema educacional brasileiro define para os alunos do ensino fundamental que a definição básica, “fundamental” de sua própria espécie é que “o ser humano é um animal racional”. Essa definição é a forma simplória de toda complexidade de características como inteligência, emotividade, memória, capacidade de abstração, entre outras, que diferencia o homem dos outros animais.

Muito antes de surgir um sistema educacional organizado como conhecemos hoje, a escrita por si só, como um registro de sinais, codificações isoladas e que por uma associação passa a ter algum significado existe a cerca de três mil anos antes de Cristo no final do período Neolítico; esta característica de escrita marca o que chamamos pré-histórico, pois foi com o advento da linguagem escrita que inicia o fim desse período “pré” para o inicio da história propriamente dita.

Foi no final deste período neolítico que os Sumérios (povo que vivia na Mesopotâmia, e que já possuía alguma evolução para fazer contagem numérica) criaram um artifício organizado em sílabas para significar o que era falado por eles, e posteriormente este recurso serviu de estimulo para um outro povo criar o alfabeto. A forma de escrita mais antiga registrada ocorreu no oriente médio e é chamada “escrita cuneiforme”.

O portal de estudos “passeiweb” publicou um artigo sobre a origem da escrita afirmando que “Segundo os dados atuais, a escrita teria sido inventada de forma independente em três regiões. Ela surge pela primeira vez entre os sumérios, a cerca de 3.000 a.C. (5.000 ap.) na Mesopotâmia. Posteriormente, em torno de 1.500 a.C., há o surgimento da escrita na China e a cerca de 300 a.C. na Mesoamérica. (...) Há regiões em que a escrita é introduzida por outros povos e em períodos muito mais recentes como no Brasil em 1.500 a.D. (depois de Cristo) ou na Austrália por volta de 1.788 a.D. Este período em que povos com escrita escrevem sobre povos sem escrita é conhecido como proto-história. São os dominantes, contando a História dos dominados”.

Foi em decorrência dessas conquistas, como um processo milenar contínuo e orgânico, que o ser humano exerce a escrita como palavra, frase, textos, idiomas, gírias e uma infinidade de aplicações desta habilidade. Faz longo tempo, embora não tenhamos uma data específica, desde que o objetivo principal da escrita deixou de ser apenas a sobrevivência. O aprimoramento da comunicação possibilitou que tarefas difíceis tornassem menos árduas por meio de pesquisas e invenções, e a troca de experiências e informações compartilhadas trouxeram a existência de artifícios que proporcionaram ao homem economizar energia, conservar alimentos e melhorar sua acomodação.

De posse dessa conquista foi possível exercer a abstração, linguagem, e comunicação para funções de lazer, auto-conhecimento, reflexão e crenças. Mais do que isso, por meio da escrita a humanidade transpõe as barreiras do tempo e do espaço deixando informações e toda sorte de registros para posteridade.

Bibliografia:
http://www.passeiweb.com/saiba_mais/fatos_historicos/geral/surgimento_da_escrita
PARRY, Jonh. Psicologia da Comunicação Humana, Ed. Cultrix, 1976.
http://www.priberam.pt/dlto