Arca da Aliança

Por Antonio Gasparetto Junior
A Arca da Aliança, segundo a bíblia, guardava objetos sagrados e era veículo de comunicação de Deus com o povo escolhido.

O livro do Êxodo descreve um objeto formado por caixa e tampa de madeira arcaica com cerca de um metro de comprimento por 60 cm de altura e coberta de ouro por dentro e por fora. Essa arca ainda era ornada na tampa com dois querubins de frente um para o outro, sendo que suas asas tocavam-se nas extremidades fazendo uma espécie de proteção. O objeto era considerado sagrado e só poderia ser carregado por sacerdotes. Acreditava-se que homens que não fossem completamente puros como sacerdotes morreriam instantaneamente ao tocar na arca. Era o povo de Israel o detentor do objeto, mas outros povos estiveram em poder dele. Só que pelo medo da presença da arca, ela era devolvida ao povo de Israel.

A chamada Arca da Aliança é o objeto mais sagrado que simboliza a representação de Deus na Terra. Deus se manifestaria através de uma fumaça preta em sua presença e tocar a arca causaria a morte instantânea dos homens, por causa da impureza. Por essa razão, o objeto possuía também varas para o seu transporte. Por essa crença de que Deus estaria presente através da arca, muitos povos a utilizaram na frente de seus exércitos nas batalhas.

Quando a Arca da Aliança estava sob cuidados do sacerdote Eli, em Israel, o profeta Samuel o condenou a julgamento por crimes cometidos. Foi nessa época que os filisteus venceram o exército israelita e o objeto sagrado foi capturado. A arca foi levada para Asdode, mas, em função das coisas estranhas que teriam acontecido, foi transferida para Ecrom. Nesta cidade, o povo se manifestou contra sua presença e os filisteus a devolveram aos israelitas.

Foi Davi que ordenou a ida da Arca da Aliança para Jerusalém. Seu filho, Salomão, foi incumbido de construir um grande templo para abrigá-la com as honras merecidas. Este templo passou a contar com um oráculo coberto de ouro e ornado com querubins como na arca. O objeto sagrado ficava exposto em um altar central e a entrada no recinto era proibida, só letivas e o próprio rei tinham acesso ao local.

Nabucodonosor invadiu Jerusalém em 586 a.C. causando um grande incêndio que teria destruído o templo. Desse momento em diante, a Arca da Aliança desaparece. Católicos e judeus acreditam que o profeta Jeremias teria mandado levar o objeto sagrado para o monte Nebo e o esconder em uma caverna. Entretanto, não há nenhuma evidência sobre a existência ou destruição da Arca. Se realmente existiu, é muito provável que os babilônios tenham capturado o objeto junto com todos os outros de valor. A partir daí, são várias as possibilidades do que teria acontecido com a Arca da Aliança. O fato é que o objeto se tornou alvo de uma grande busca arqueológica. Há várias réplicas expostas em museus pelo mundo e a Igreja Ortodoxa Etíope acredita que o objeto está na Igreja de Santa Maria de Sião, no norte da Etiópia, porque foi para lá que foi Menelik I, filho de Salomão. Todavia, a original nunca foi encontrada.

Fonte:
http://periodicos.est.edu.br/index.php/estudos_teologicos/article/viewArticle/205