Couraçado

Considerados os veículos marítimos de guerra mais potentes, os couraçados são navios utilizados em grandes batalhas, fortemente blindados e contam com armas que alcançam longas distâncias e têm os maiores calibres que existem. Também conhecidos como encouraçados, são mais seguros, potentes e maiores do que os contratorpedeiros e os blindados.

USS Iowa, um couraçado da marinha dos Estados Unidos.

A origem dos encouraçados remete ao século XVIII, época em que existiam os clássicos navios de linha à vela, que foram utilizados até o século XIX. Os couraçados são considerados a evolução dos navios de linha pelas características de armamento e forte poder de fogo. A revolução deste tipo de embarcação ocorreu em 1906, quando surgiu o HMS Dreadnought, um encouraçado da Marinha Real Britânica. Após sua apresentação, todos os couraçados começaram a ser inspirados neste modelo, e começam a ser chamado de dreadnoughts.

Além de proteger os territórios e as fronteiras marítimas dos países, um couraçado era a representação do poder de uma nação. Foram utilizados durante muito tempo como uma ferramenta para cumprir estratégias diplomáticas e militares das potências que os tinham como arma de guerra. Atualmente, este poderio é demonstrado pela força nuclear, mas naquela época a corrida era para a construção de couraçados que superassem os dos países vizinhos.

Esta disputa bélica fica bem exemplificada na Batalha de Jutlândia, considerada uma das causas do início da Primeira Guerra Mundial. Tido como o maior combate naval de todos os tempos, envolveu as forças marinhas da Alemanha e da Inglaterra. Tamanho era o poder de destruição dos couraçados durante os anos de 1920 e 1930, que foram realizados tratados internacionais para limitação do armamento naval. Com isso, cada nação só poderia ter couraçados até certo ponto, mas isso não fez com que a evolução dos navios ficasse estagnada. Durante a Segunda Guerra Mundial, as potências envolvidas mostraram encouraçados desenvolvidos e com grande poder de destruição.

Com o passar do tempo e o desenvolvimento e novas armas e estratégias de guerra, o poder dos couraçados começa a ser questionado. Eles começam a ser facilmente abatidos por torpedos e minas marítimas, assim como a mísseis e aeronaves. Foram, aos poucos, sendo substituídos pelos porta-aviões, que se tornaram os principais navios de linha na 2ªGM.

Ainda foram utilizados pela marinha norteamericana no período da Guerra Fria, em missões de apoio contra alvos terrestres. Em 2006, foram desmontados os últimos encouraçados dos Estados Unidos. Com a evolução da tecnologia no século XXI, estes tipos de navio incorporaram novas características e vem sendo estudados de maneira a se tornar potentes armas de guerra novamente.

Fontes:
GILBERT, Martin. A Segunda Guerra Mundial, Lisboa, Dom Quixote, 2009, 3ª Ed.
http://www.areamilitar.net/DIRECTORIO/nav.aspx?nn=17
http://naval.blogs.sapo.pt/16607.html

Arquivado em: Curiosidades