História das Estradas

O Império Romano pode não ter sido o primeiro a criar estradas, mas certamente é o responsável pela criação de uma extensa rede de caminhos pavimentados, ligando todas as regiões do continente europeu. Isso tornava o controle do extenso império mais fácil, e o abastecimento, comércio e mobilidade da população em geral estava garantida, fatores que fortaleciam a economia estatal. As estradas romanas eram compostas de pedras assentadas sobre argamassa, e muitas delas ainda estão em uso, sendo a mais famosa a Via Appia, de aproximadamente 90 km, ligando Roma e Terracina.

Via Appia. Foto: Roberto Aquilano / Shutterstock.com

Via Appia. Foto: Roberto Aquilano / Shutterstock.com

Com o declínio do império, a criação de estradas deixou de ser relevante: a população se concentra nos meios rurais, o comércio se retrai, e o que antes era um melhoramento fundamental passa a ser um luxo dispensável. Somente a partir dos séculos XVII e XVIII, quando se verifica um aumento considerável da quantidade de veículos de rodas é que as estradas passam a ser novamente preocupação do Estado. As longas viagens tornavam-se mais comuns, e os veículos da época eram equipados com aros de ferro de vários centímetros de largura para reduzir o desgaste das rodas, em meio ao atrito com a superfície irregular do solo. Outro problema era o abaulamento das estradas, ou seja, a elevação do centro da pista para facilitar o escoamento de água. Os consertos, precários em sua maioria, eram de autoria dos que moravam próximos às vias.

Em 1716, na França, é estabelecida a Corporação de Pontes e Estradas. Era a primeira vez que um governo apoiava um grupo de engenheiros civis dedicados à conservação e abertura de novas estradas, e tal iniciativa atraiu muitos interessados, dando origem a uma escola de treinamento em 1747. O aspecto paisagístico já estava presente, havendo um decreto que prescrevia que todas as estradas fossem construídas como avenidas, e que houvesse ao menos uma árvore a cada dez metros.

Os alicerces técnicos da construção de rodovias foram desenvolvidos mais tarde pelo francês Pierre Trésaguet, que modificou o modelo romano de construção, utilizando material mais leve, como por exemplo seixos nos acostamentos, para evitar o abaulamento. Os ingleses John McAdam a Thomas Telford irão aperfeiçoar os conceitos introduzidos por Trésaguet, usando um leito de rodovia plano, num terreno devidamente drenado. As pedras do calçamento eram selecionadas por tamanho. McAdam, por sua vez, considerava desnecessárias as fundações pesadas e passou a utilizar o chamado macadame, pedra de corte reto angular, que tornava o leito "flexível", pois absorvia as pressões sem se deformar, transmitindo o peso para o subsolo. Muitas cidades brasileiras, em seus pontos mais antigos, não asfaltados, ainda conservam ruas pavimentadas com os tais macadames.

O advento do asfalto, desenvolvido para acolher a nova invenção, o automóvel, muda para sempre o aspecto das estradas, que se transformam em um "tapete" negro, e gradualmente aumentam de tamanho, para acomodar o tráfego cada vez mais intenso de veículos.

Bibliografia:
Pequena História das Invenções. São Paulo: Abril S.A. Cultural e Industrial, 1976.

Arquivado em: Curiosidades