História do Maracanã

Por Fernando Rebouças
Em meados da década de 40, os maiores estádios do mundo eram o River Plate, em Buenos Aires, e o Empire State, na cidade inglesa de Wembley, com capacidade para 120.000 pessoas. O estádio Pacaembu, em São Paulo, era o terceiro maior do mundo empatado com o estádio Nacional de Lisboa, em Portugal, com capacidade de 60.000 pessoas.

O presidente Eurico Gaspar Dutra, em 1948, decidiu investir no planejamento de um estádio de futebol gigante para sediar a 4ª edição da Copa do Mundo, em 1950. O estádio foi planejado pelos arquitetos Rafael Galvão, Pedro Paulo Bernardes Bastos, Orlando Azevedo e Antônio Dias Carneiro e inicialmente abrigava 155.000 espectadores.

Foi batizado de Mário Filho, em homenagem ao jornalista fundador do Jornal dos Sports. O jogo inaugural aconteceu no dia 17 de junho de 1950, entre as seleções do Rio e São Paulo, cuja vitória foi dos paulistas por 3 x 1, o jogo contou com a presença de Didi.

O primeiro jogo oficial aconteceu no dia 24 de junho de 1950, no jogo Brasil 4 x 0 México, pela Copa do Mundo. Em 1963, foi palco da final interclubes entre o Santos, de Pelé que conquistou o título vencendo o Milan, da Itália.

Tornou-se , até há poucos anos, o maior estádio do mundo, nele os brasileiros testemunharam a derrota do Brasil na final de 50 para o Uruguai, o milésimo gol de Pelé, os shows de Frank Sinatra, Paul McCartney e do Rock in Rio II; além da vinda do Papa João Paulo II, em 1980 e 1997.

A maior goleada registrada em jogos oficiais foi o resultado Flamengo 12 X 2 são Cristóvão, em 28 de outubro de 1956. A palavra "Maracanã" em tupi significa “maracá” (chocalho) e “nã” (semelhante) e designa um som emitido por um papagaio conhecido como Maracanã-guaçu.