OVNI

OVNI é uma sigla correspondente a Objeto Voador Não Identificado, que por sua vez é uma transposição de outra sigla, surgida anteriormente em inglês, UFO (Unidentified Flying Object). Tal sigla com o tempo se transformou em um termo próprio, utilizada como palavra genérica para se referir a qualquer corpo que se deslocasse no céu e não pudesse ser definido, com luzes e objetos desconhecidos. Rapidamente, “OVNI” (ou mesmo UFO) se tornou sinônimo de espaçonave alienígena. Os indivíduos dedicados ao estudo de tais aparições, pesquisadores ou meros entusiastas amadores são denominados "ufólogos".

A origem do termo em língua inglesa remota a meados do século XX, e é creditada a membros da Força Aérea dos Estados Unidos, que teriam cunhado a sigla em meio à polêmica dos incidentes acontecidos em Roswell, cidade do estado do Novo México, onde uma espaçonave alienígena teria caído em 1947. Apesar de, na maioria das vezes, os supostos OVNIs revelarem-se algo conhecido, como por exemplo um balão meteorológico ou luzes de um avião, cerca 5 a 10% das aparições permanecem sem uma explicação científica. Além das aparições, acumulam-se através dos anos os casos de supostas abduções, onde indivíduos teriam sido sequestrados para a realização de experiências das mais diversas com seus organismos. Outras formas mais discretas de manifestações dos alienígenas seriam os padrões estranhos surgidos em plantações, vegetação queimada ou aplainada, cordões parecidos com teias de aranha que pendem de postes telefônicos e árvores e que se desintegram ao toque, além da mutilação de animais, encontrados sem sangue, sem vísceras e com nenhuma indicação aparente do autor dos cortes.

A certeza com relação à matéria é que a questão gera muita polêmica, contrapondo aqueles que acreditam na presença dos OVNIs e aqueles que dizem que precisam de mais provas científicas.

Inicialmente, o próprio governo norte-americano demonstrou muito interesse na pesquisa sistemática de OVNIs, sendo a força aérea do país a primeira a se dedicar ao tema, em 1948, com um programa chamado Project Sign. Posteriormente, o nome do programa é modificado para Project Blue Book. Entre 1948 e 1969 o governo investigou mais de doze mil aparições de OVNIs, sendo que 11.917 tinham uma explicação alternativa, e representavam visões equivocadas de balões meteorológicos e satélites ou ainda fenômenos climáticos como relâmpagos e reflexos, simples ocorrências astronômicas, ou mesmo farsas. Os 701 casos restantes não tiveram uma resposta satisfatória do ponto de vista científico. O projeto Blue Book foi encerrado em 1969, alegadamente por falta de provas conclusivas. As conclusões finais dos estudos foram:

  • nenhum OVNI descrito, investigado e avaliado deu qualquer indicação de ameaça à segurança nacional;
  • não há provas de que as aparições classificadas de "não identificadas" representem avanços ou princípios tecnológicos além do limite dos conhecimentos científicos atuais;
  • não há prova indicativa de que as aparições "não identificadas" constituam veículos extraterrestres;

Bibliografia:
WATSON, Stephanie. Como funcionam os OVNIs. Disponível em: <http://pessoas.hsw.uol.com.br/ovnis.htm>. Acesso em: 25 jun. 2012.

Arquivado em: Curiosidades