Scrapbook

Por Ana Lucia Santana
O Scrapbook é uma prática não industrializada, a qual pode ser exercida por qualquer pessoa que deseje preservar suas lembranças no que é conhecido hoje como álbum da memória. Esta inclinação do momento não é assim tão recente como pode parecer.

O hábito de colecionar fotos, detalhes charmosos colhidos em uma viagem, papéis decorados e repletos de cores, fitas, botões, linhas, adesivos, rendas, etiquetas, colagens, entre outros elementos, que depois irão compor o álbum de cada um, parece ter nascido há pelo menos cem anos atrás, entre os mórmons norte-americanos.

Este grupo estava sempre em lugares diferentes, e destes locais enviavam aos seus familiares ‘souvenirs’ e fotos diversas, que então eram gradualmente inseridas nos álbuns ancestrais. Outros alegam também que a sua real origem se deu na Alemanha, e depois esta técnica teria cumprido um pequeno estágio na Inglaterra, antes de desembarcar nos Estados Unidos.

A expressão ‘scrapbook’ nasceu da idéia de um livro de retalhos, nos quais aos poucos se vai colando os mais variados itens, compondo um painel das lembranças de diversos períodos da existência. É uma forma de torná-las imortais. Não há regras e preceitos sobre como compor um scrapbook, o que importa é a criatividade e o estilo de cada um, a história que será narrada de uma forma especial por um e por outro.

Inicialmente o material à disposição para este trabalho era muito rústico, especialmente o papel e os adesivos, considerados muito ácidos. Ainda hoje, particularmente no Brasil, ainda se utiliza incorretamente matéria-prima impregnada de acidez, o que pode lesar as fotos, desprender os objetos colados no álbum, deixar as páginas amareladas em pouco tempo.

O fato de o scrapbooking ter se tornado uma tendência moderna, que se estende hoje principalmente pela Austrália, Canadá, Inglaterra e pelos Estados Unidos, levou naturalmente à conscientização, por um lado, de que se deve disponibilizar no mercado um material mais apropriado, desprovido de acidez, e, por outro, da necessidade de se elaborar meios mais eficazes para a preservação das fotografias.

Hoje o mercado oferece elementos cada vez mais atraentes para a confecção dos scrapbooks. Esta prática se revela mais prazerosa e inventiva à medida que alguém se aprofunda nela. Dedicar algum tempo para a execução dessa atividade propicia às pessoas um antídoto contra o stress e qualquer outra perturbação psíquica, o que exibe uma outra face do scrapbooking, seu lado terapêutico.

Além de todos os benefícios já enumerados, é certamente reconfortante poder vislumbrar o passado, momentos marcantes, lugares visitados, pessoas que passaram pela vida de cada um, acontecimentos especiais, ao retomar posteriormente os scrapbooks. Esta é uma forma de unir todos os objetos e lembranças esparsas em único lugar, preservando-os da fúria do tempo, para que se possa depois ter acesso a eles e compor, em nossa memória, um painel dos dias que se foram.

Tudo que se necessita para elaborar um scrapbook é de vontade, disposição, algum tempo livre e a imaginação fluindo sem cessar. Assim, é possível se valer desta técnica também para criar convites dos mais variados eventos, agendas, marcadores de livros, e todo tipo de lembrança ou presente que se possa conceber.

Fontes
http://pt.wikipedia.org/wiki/Scrapbook
http://www.scrapbookbrasil.com/resources/showarticle.php?fldAuto=6&faq=3
http://tatarover.blogspot.com/2007/09/o-que-scrapbook-scrapbooking.html