Terra é o centro do Universo?

Por Fernando Rebouças
Segundo Aristóteles, o universo em seu todo era regido por leis imutáveis que mantinham a eternidade de seus movimentos e regularidade. Aristóteles concluiu que o universo era composto de 47 esferas concêntrica.

Dentro destas esferas concêntricas a Terra ocuparia o centro imóvel do sistema. O movimento das diversas esferas explicaria o movimento observado nos astros do céu como o desencadear das estações e do ciclo de gerações dos diferentes seres do mundo.

O universo seria necessário para o próprio universo, para Aristóteles o surgimento de algo é necessário e sempre circula e volta para o seu ponto de partido; haveria um limite para a geração das coisas, e se não houvesse limite para a geração dos componentes universais, os mesmos surgiriam dispostos em caminho retilíneo ou circular.

Se a geração de algo é eterna, a mesma não seria eterna e retilínea ao mesmo tempo, pois o que é eterno não possui ponto inicial. O que é eterno não pode ser limitado. Segundo Aristóteles : “(...) Se, com efeito, o corpo movido circularmente move sempre outra coisa, é necessário que o movimento das coisas por ele movidas seja também circular”.