Tetris

O Tetris é um videogame de quebra-cabeça, originalmente desenvolvido e programado por Alexey Pajitnov na União Soviética. O jogo foi lançado em 6 de Junho de 1984, enquanto Pajitnov trabalhava no Centro de Informática de Dorodnicyn, na Academia de Ciência da URSS, em Moscow. O nome “tetris” deriva do prefixo grego “tetra” (já que todos os blocos do jogo são formados por quatro segmentos) e tênis, o esporte favorito de Pajitnov. Foi o primeiro artigo de entretenimento eletrônico oficialmente exportado da União Soviética para os Estados Unidos, sendo desenvolvido pela Spectrum Holobyte para microcomputadores Commodore 64 e IBM PC.

O jogo foi criado com base no poliminó, um quebra-cabeça bastante popular, desde 1907. Pajitnov removeu uma das peças do poliminó, criando apenas blocos chamados de tetraminós, com apenas quatro segmentos cada. O Tetris consiste em empilhar tetraminós que descem a tela, numa velocidade que cresce gradativamente enquanto o jogo evolui, de forma que completem linhas horizontais. Quando uma linha se forma, ela se desfaz, as camadas superiores caem, e o jogador ganha pontos. Quando a pilha de peças chega ao topo da tela, a partida se encerra. Hoje, o Tetris é encontrado em praticamente todos os consoles de videogame, sistemas operacionais de microcomputadores, além de outros dispositivos gráficos como calculadoras, celulares e tocadores de MP3.

De acordo com a pesquisa do Dr. Richard Haier, jogar o Tetris, podem levar a um crescimento na eficiência da atividade cerebral. Nas primeiras vezes que uma pessoa joga o Tetris, a atividade cerebral aumenta bastante, junto com o consumo de energia cerebral, medida pela taxa metabólica da glicose. Quando o jogador se torna mais familiarizado com o videogame, seu cérebro mostra um declínio no consumo da glicose, indicando que o cérebro se tornou mais eficiente para realizar aquela tarefa. Até mesmo jogando o Tetris moderadamente (por cerca de meia hora por dia, num período de três meses), nota-se um crescimento geral nas funções cognitivas do indivíduo, como pensamento crítico, raciocínio, linguagem e processamento de informações, aumentando, inclusive, a espessura do córtex cerebral.

No campo da psicoterapia, em 2009, um grupo de pesquisa da Universidade de Oxford, com o uso de voluntários, chegou à conclusão que o Tetris é capaz de diminuir a quantidade de flashbacks de indivíduos que presenciaram cenas traumáticas. Os pesquisadores acreditam que o videogame pôde interromper a memória residual que fica mantida nos receptores auditivos e visuais, das pessoas que passaram por experiências traumáticas, “atrapalhando” os flashbacks dessas experiências. O grupo espera conseguir desenvolver uma potente intervenção para reduzir o número de flashbacks causados pelo estresse pós-traumático.

O jogo também é conhecido por causar o “efeito Tetris”, que se caracteriza pelo cérebro do jogador mostrar, involuntariamente, peças do jogo, mesmo quando o indivíduo não o está jogando, apesar disso, comprovadamente, poder acontecer com qualquer videogame ou vídeo em que uma mesma imagem ou cenário sejam expostos repetidamente.

Apesar de o jogo ter sido largamente vendido por todos os anos 1980 para plataformas de microcomputadores, o jogo alcançou seu ápice de vendas com a versão portátil para o Game Boy, lançada em 1989, que estabeleceu o jogo como um dos mais populares de todos os tempos da indústria dos videogames. A revista americana bimensal Eletronic Gaming colocou o Tetris em primeiro lugar numa lista dos maiores videogames de todos os tempos. Em 2007, o Tetris ficou em segundo lugar na lista dos 100 maiors videogames de todos os tempos, desenvolvida pelo importante site IGN, especialista em videogames. Apenas para celulares, estima-se que o Tetris tenha sido vendido mais de 100 milhões de cópias, apenas desde 2005. Ao todo, já foram vendidas mais de 125 milhões de cópias do jogo.

Fontes:
http://www.historiadomundo.com.br/idade-contemporanea/origem-do-tetris.htm
http://blog.retinadesgastada.com.br/2009/06/origem-do-tetris.html
http://en.wikipedia.org/wiki/tetris

Arquivado em: Curiosidades