Vila Sésamo

Este programa infantil não foi uma criação brasileira, mas sim uma produção realizada nos Estados Unidos, através do canal CTW - Children's Television Workshop -, de caráter educativo e estatal, sediado em Nova Iorque. Lá ele ainda é exibido, sob o título de Sesame Street. A Vila Sésamo brasileira foi claramente inspirada nesta série.

Em 1972 a TV Cultura decidiu adquirir os direitos de exibição deste seriado. Nesta época ela era presidida por Rafael Noschese, que assumiu uma parceria com os estudantes de Rádio e TV da ECA, Escola de Comunicações e Artes da USP, sem o que não seria possível levar adiante este ambicioso projeto.

Vila Sésamo

Vila Sésamo

A idéia inicial de converter o Sesame Street em uma série brasileira foi do Boni, José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, na época o diretor da Central Globo de Produções, e de Cláudio Petraglia, então à frente da TV Cultura. Boni não contava ainda com estúdios para gravar o programa, então estabeleceu-se um acordo entre os dois canais.

Até 1974 os espectadores mirins podiam escolher entre duas emissoras e dois horários distintos para acompanhar esta produção. A partir de então a Rede Globo assumiu sozinha esta empreitada, de 1974 a 1975 e, posteriormente, de 1975 a 1977, entrando em uma terceira fase do programa.

Esta produção inovadora transformou o que até este momento se conhecia como linguagem artística infantil, e logo no seu primeiro ano de exibição a TV Cultura sentiu o impacto do reconhecimento deste investimento, pois conquistou logo três prêmios - dois Troféus Helena Silveira, melhor programa cultural e revelação feminina, a atriz Sônia Braga; e a premiação da APCA, Associação Paulista de Críticos de Arte, por ser  considerado o melhor programa do ano. Também foram ratificados Ademar Guerra, como diretor, e Cláudio Petraglia, por sua adaptação.

Sua programação transmitia para o público infantil noções sobre números, o alfabeto, divisão silábica e regras gramaticais, por meio de processos lúdicos, brincadeiras musicas, entre outros eventos. Eram igualmente exibidas diversas animações. No total o programa tinha uma duração média de 30 a 60 minutos.

Em um contexto ambientado numa vila operária, na qual seres humanos e bonecos, especialmente crianças, compartilhavam experiências, processos pedagógicos se misturavam a brincadeiras bem-humoradas. A trilha sonora era composta pelos irmãos Marcos e Paulo Sérgio Valle, ícones do movimento musical bossa-nova.

Seus personagens se tornaram clássicos e até hoje são lembrados pelas crianças daquela época. Garibaldo, o imenso e destrambelhado pássaro, sempre louco para conquistar novos conhecimentos e brigar com Gugu, boneco que vivia em constante mau-humor, encerrado no barril em que residia. Havia o Funga-Funga, um elefante atípico, triste, mas constantemente cantando para todos. E, claro, os bonecos que estavam constantemente discutindo entre si, Ênio e Beto.

No núcleo dos adultos havia Juca, um trabalhador apto a consertar qualquer objeto, unido em matrimônio a Gabriela, bela jovem amante dos exercícios físicos e da gastronomia. Ana Maria era a educadora da escola da Vila, namorada do caminhoneiro Antônio; e Seu Almeida o proprietário da venda. Além dos principais personagens, de vez em quando desembarcava na Vila um novo integrante, como o Professor Leão, Jujuba, o Marinheiro, entre outros.

Em 1977, com a elevação dos custos desta produção, ela foi abandonada, exatamente quando cessou o contrato com a TV dos EUA. Seu último dia de exibição foi em 4 de março de 1977. Em 2007 a TV Cultura adquiriu o direito, junto ao Sesame Workshop, de voltar a transmitir uma nova temporada com 78 capítulos.

Fontes:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Vila_Sésamo
http://www.sampaonline.com.br/colunas/elmo/coluna2001nov30.htm
http://oglobo.globo.com/cultura/revistadatv/mat/2007/10/23/325843076.asp
http://memoriaglobo.globo.com/Memoriaglobo/0,27723,GYN0-5273-249656,00.html

Arquivado em: Curiosidades