Origem do Mangá

Por Fernando Rebouças
No período Nara, século VIII d.c, surgem os primeiros rolos de pintura japonesas, as tais pinturas eram conhecidas como emakimono, em seus conteúdos eram associados pinturas e textos que literalmente se desenrolavam. O primeiro emakimono foi entitulado de “Ingá Kyô”, cópia de obra chinesa.

No século XII, surgem emakimonos genuinamente no estilo japonês de estampas. Porém os mangás como lemos e conhecemos nos dias atuais, surgem no início do século XX, influência pelo formato dos gibis ocidentais, principalmente dos EUA. Na época surgiu o “Primeiro Soldado Norakuro” , criado por Tagawa Suiho. Nesta fase o governo japonês utilizou o quadrinhos para fins de propaganda.

Depois da Segunda Guerra Mundial, há uma explosão de produção em escala mundial de quadrinhos, dando espaço para a criação de publicações locais em regiões periféricas do Ocidente e em países orientais. Os desenhistas de manga são conhecidos como “mangakas”. O desenhista Osama Tezuka, sob influência de Walt Disney, desenvolve personagens com feições e expressões exageradas, personagens japoneses com olhos arregalados.

Em 1963, Tezuka em seu estúdio Mushi Production, cria a primeira série de animação para a televisão japonesa, o “Astro Boy”. O principal público do manga sempre foi as crianças e jovens, porém nesta época houve um trabalho em criar manga para adultos.

Outros desenhistas ficaram conhecidos, como Fujiko Fujio, criador de “Doramon, e Akatsuka Fujio, Reiji Matsumoto e Shotaro Ishinomori. No Brasil, tanto em tv quanto no formato livro, o manga mais elaborado se fez presente entre as décadas de 80 a 90 com boa popularidade, mas o “boom” no mercado nacional estorou nos anos 2000.