Beriliose

Por Débora Carvalho Meldau
A beriliose é uma inflamação pulmonar que resulta da inalação de poeira ou vapores que contêm berílio e está englobada no grupo das doenças laborais (ocupacionais).

Antigamente, o berílio era extraído de minas para ser usado em indústrias químicas e na produção de lâmpadas fluorescentes. No dias de hoje, essa substância é especialmente utilizada na indústria aeroespacial. Além dos operários destas fábricas, indivíduos que moram em suas redondezas também podem desenvolver beriliose.

A diferença básica da beriliose com outras doenças ocupacionais reside no fato de que os processos pulmonares aparentemente se desenvolvem apenas em indivíduos sensíveis ao berílio, constituindo, aproximadamente, 2% dos indivíduos que estão em contato com esta substância. A afecção pode surgir naqueles que passaram por exposição relativamente curta ao berílio, com sintomatologia que pode demorar de 10 a 20 anos para aparecer.

Esta doença pode manifestar-se de duas formas: aguda ou crônica. A primeira surge repentinamente e ocorre devido à exposição intensa ao agente. Dentre as manifestações clínicas estão os acessos de tosse repentinos, dispnéia e perda de peso; pode acometer também olhos e pele, levando ao desenvolvimento de lesões nessa última.

A forma crônica da doença é causada devido à prolongada exposição ao berílio e caracteriza-se pelo desenvolvimento de tecido anormal nos pulmões e por linfadenopatia, sendo que o aparecimento da tosse, dispnéia e perda de peso ocorre gradativamente.

O diagnóstico é feito constatando-se a presença de alterações patológicas (granuloma), juntamente com a prova de que as mesmas resultaram de uma hipersensibilidade ao berílio. Deste modo, o diagnóstico da beriliose crônica pode ser obtido antes da manifestação da sintomatologia. Ainda não se sabe se o curso natural da beriliose é o mesmo caso a doença seja descoberta antes das manifestações clínicas.

A beriliose aguda pode ser fatal. Contudo, de um modo geral, a condição dos pulmões é restabelecida por meio do tratamento adequado. Este, por sua vez, é feito a administração de glicocorticóides, sendo que habitualmente o paciente recupera-se dentre de um período de 7 a 10 dias.

Já  no caso da beriliose crônica, é comum a ocorrência de insuficiência cardíaca e conseqüente morte, devido ao esforço excessivo que o coração realiza, uma vez que os pulmões encontram-se gravemente afetados. Pode ser feito o uso de corticosteróides, como a prednisona oral; todavia, geralmente não é muito útil.

Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Beriliose
http://www.manualmerck.net/?id=64&cn=724
http://saude.psicologiananet.com.br/palavra-chave/beriliose

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.