Hemoglobinopatia

Por Débora Carvalho Meldau
Hemoglobinopatia é um termo que abrange uma ampla gama de patologias causadas por uma alteração na hemoglobina, proteína presente nos eritrócitos.

A molécula de hemoglobina (Hb) é um tetrâmero composta por dois tipos de cadeias de globina, sendo que cada uma dessas cadeias proteicas encontra-se ligada a um grupo heme, que possuem o íon ferro no seu centro.  A Hb é responsável pelo transportar o oxigênio dos pulmões para os tecidos, e de gás carbônico dos tecidos aos pulmões.

Os defeitos que podem ocorrer durante a produção da Hb podem ser de dois tipos distintos. Podem ocorrer anormalidades estruturais, resultantes de alterações sofridas pelos aminoácidos que compõem a cadeia de globina, ou podem ser decorrentes de uma síntese desbalanceada, apresentando quantidades alteradas das cadeias de globina.

Até o momento, já foram identificados mais de 300 defeitos estruturais da Hb, sendo a anemia falciforme a mais conhecida. Já no caso dos defeitos na taxa de produção das cadeias de Hb, as mais conhecidas são as talassemias (alfa ou beta talassemias, variando de acordo com a cadeia que foi acometida).

Quando a hemoglobina encontra-se instável, diversas podem ser as consequências:

  • Redução da afinidade pelo oxigênio: resultando em deficiência de oxigênio nos tecidos.
  • Aumento da afinidade pelo oxigênio: ocorre em raros casos.
  • Metahemoglobina: nesta situação, a Hb apresenta o íon férrico no estado oxidado ou invés do ferroso.
  • Hemoglobina instável: são formados no interior das hemácias os denominados corpúsculos de Heinz.
  • Cristalização;
  • Falcização.

As manifestações clínicas variam com o tipo de hemoglobinopatia. Grande parte das hemoglobinopatias leva à anemia, que varia de branda a moderada, sendo que em alguns casos pode haver anemia hemolítica. Em alguns casos, os pacientes também ficam mais susceptíveis a infecções, que podem resultar em sepsis. Dor generalizada causada pela obstrução de pequenos vasos também podem estar presente e levar ao comprometimento da função de diversos órgãos e tecidos.

Existem alguns testes laboratoriais capazes de identificar as hemoglobinopatias, como:

Apesar de não existir cura para as hemoglobinopatias, as medidas de tratamento envolvem o controle da anemia, a prevenção das crises hemolíticas e das infecções. A adoção dessas medidas aumentam significativamente a qualidade e o tempo de vida do paciente. O aconselhamento genético também é importante para os pais no caso de futuras gestações.

Fontes:
http://www.ameo.org.br/interna2.php?id=37
http://www.cehmob.org.br/hemoglobinopatias/hemoglobinopatias.htm
http://pt.wikipedia.org/wiki/Hemoglobinopatia
http://www.facenf.uerj.br/v13n3/v13n3a06.pdf

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.