Mal de Parkinson

Por Thais Pacievitch
O mal de Parkinson é uma doença degenerativa do sistema nervoso, foi descrito e documentado pela primeira vez em 1817, pelo médico britânico James Parkinson. Esta doença acomete, em média, duas pessoas entre mil, é mais frequente depois dos 50 anos de idade, ataca igualmente homens e mulheres, independente de raça, cor, nível social ou situação geográfica.

As mudanças bioquímicas associadas à doença foram identificadas na década de 1960. Os investigadores identificaram um defeito cerebral fundamental que diferencia a doença: a perda de células cerebrais responsáveis pela produção de um neurotransmissor (dopamina) que ajuda a dirigir a atividade muscular. Esta descoberta levou os cientistas a encontrar o primeiro tratamento eficaz do mal de Parkinson, fato que permitiu o surgimento de terapias ainda mais eficazes.

Os sintomas iniciais podem ser leves e pouco específicos (tremedeira leve, sensação de rigidez). Outros sintomas são: tremedeira de diferentes intensidades; falta de movimentos; dificuldade de andar; estabilidade ruim quando a pessoa está em pé; ausência de expressão facial; lerdeza de movimentos; intranquilidade (os dedos do doente ficam se movendo como se contassem dinheiro); dificuldade para manter a boca fechada; tom de voz baixo e monótono; deterioração intelectual; perda de peso; pele oleosa; depressão; confusão; dificuldade para fechar as pálpebras; ansiedade; distúrbios do sono, entre outros.

Não é conhecida cura para o mal de Parkinson e o objetivo do tratamento é apenas controlar os sintomas. Os remédios controlam os sintomas principalmente mediante o incremento dos níveis de dopamina no cérebro. Na medida em que os sintomas variam, devem se modificados a dosagem, o tipo específico de medicamento, o tempo entre as doses e a maneira como os remédios são tomados. A maioria das pessoas responde aos medicamentos. O grau de alívio dos sintomas e o tempo de alívio variam de acordo com cada pessoa.

Para ajudar a combater este mal é preciso: adotar uma dieta saudável, fazer exercícios, ter períodos regulares de descanso, evitar o estresse, fisioterapia, terapia ocupacional, etc.

Quando não tratado, o mal de Parkinson piora até que a pessoa esteja totalmente incapacitada. Esta doença pode levar ao total deterioração das funções cerebrais e morte prematura.

Leia mais:

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.