Biofertilizantes

Por Fernando Rebouças
A biodigestão gera um subproduto referido como “biofertilizante”. O biofertilizante é considerado um produto final de toda reação, e não somente um subproduto de grande importância para a agricultura.

Em geral possui alta concentração de nitrogênio e baixa concentração de carbono, fatores provenientes da biodigestão ocorrida dentro do biodigestor. O biodigestor libera carbono nos elementos de CO2 e CH4, propiciando a geração de um biofertilizante rico em nutrientes.

Uma das principais vantagens do uso de biofertilizantes na agricultura é o baixo custo. Os biofertilizantes não geram problemas referentes à salinização do solo e muito menos níveis de desestruturação como ocorre com o uso de fertilizantes químicos.

Auxiliam na autossuficiência da propriedade rural gerando uma produção mais saudável e propicia ao manejo agroecológico da área produtiva. Os  biofertilizantes (também referidos como fertilizantes orgânicos) auxiliam na manutenção do equilibrio nutricional das plantas, maior defesa nelas perante às pragas, pois o biofertilizante propicia uma maior formação de proteínas e menos aminoácidos solúveis.

Outra positiva consequência em seu uso está na produtividade das culturas que, conjuntamente, oferece alimentos mais saudáveis com menor nível de aditivo químico e respeito ao meio ambiente.

Em geral, os biofertilizantes são compostos bioativos, formados a partir de resíduos finais de fermentação de compostos orgânicos com célular vivas, bactérias, leveduras, algas e fungos filamentosos. Também apresenta metabólitos e quelatos organo-minerais.

A produção de biofertilizantes nos biodigestores envolve a fermentação aeróbica e anaeróbica da matéria orgânica. Os compostos são ricos em enzimas, antibióticos, vitaminas, toxinas, fenóis, ésteres e ácidos.

Não há uma única fórmula padrão para a produção de biofertilizantes, há vários níveis de pesquisas e compostos sendo utilizados para fins específicos. No mundo, a China e a Índia são os maiores produtores de biofertilizantes e biogás (gás metano CH4).

No Brasil, o Centro de Agricultura Ecológica Ipê, situado no Rio Grande do Sul, patenteou um biofertilizante foliar rico em micronutrientes utilizado em plantações de maçã, pêssego, uva, tomate e hortaliças.

Na produção de biofertilizantes, a fermentação pode ocorrer em 30 dias no verão e 45 dias no inverno, pois a temperatura é um dos princiáis fatores. O biofertilizante de esterco, por exemplo, alcança a fermentação numa temperatura de 38°C.

Nesse processo, a decomposição bacteriana de uma matéria orgânica em condições anaeróbicas ocorre em três etapas:

  1. Fase de hidrólise – Nessa fase as bactérias liberam enzimas extracelulares que transformarão as moléculas maiores em moléculas menores e solúveis ao meio ambiente;
  2. Fase ácida – As bactérias produtoras de ácidos transformam moléculas de proteínas gordurosas e carboidratos em ácidos orgânicos como o ácido láctico e o ácido butílico;
  3. Fase metanogênica – As bactérias metanogênias atuam sobre o hidrogênio e o dióxido de carbono, ambos os elementos químicos transformam-se em gás metano.

Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Biofertilizante
http://www.unemat.br/proec/compostagem
http://www.prac.ufpb.br/anais/meae/Anais_II