Reflorestamento

Por Caroline Faria
Reflorestamento se refere à atividade de replantar florestas (ou seja, que já existiram, mas) que foram suprimidas por algum motivo. Embora, erroneamente, o termo seja usado (às vezes) para designar também o plantio em qualquer área.

Área reflorestada. Foto: XiXinXing / Shutterstock.com

Área reflorestada. Foto: XiXinXing / Shutterstock.com

Infelizmente, durante a ocupação do Brasil, a maior parte de sua vegetação, principalmente na região sudeste, foi sendo derrubada para a extração da madeira e, depois, plantio de diversas culturas como o café. Segundo dados da Ong SOS Mata Atlântica, da vegetação que cobria toda a região de domínio da Mata Atlântica, que vai desde o litoral Rio Grande do Norte ao Rio Grande do Sul, restaram apenas cerca de 7% da cobertura original que continua ameaçada.

A saída então, uma vez que não podemos voltar no tempo e reverter à situação, é tentar recuperar a região devastada através do reflorestamento. E zelar para que ninguém mais destrua.

Há quem defenda que a recuperação da vegetação deve ocorrer de forma natural sem que haja a intervenção do homem mesmo que para o plantio. Mas, desta forma o processo é bem mais demorado. Então, a maioria dos proprietários de terra, que optam por recuperar antigas regiões de mata, geralmente, resolvem fazer o reflorestamento.

A recuperação natural da vegetação se dá por estágios, cada um dos quais é caracterizado pela predominância de um tipo de vegetação diferente. As espécies chamadas de pioneiras são as primeiras a aparecer e se constituem de arbustos de pequeno e médio porte e ciclo de vida curto. Já as espécies de ciclo de vida mais longo e grande porte são chamadas de “clímax” e aparecem logo depois das espécies intermediárias. Portanto, o que o processo de reflorestamento, faz é acelerar esse processo de sucessão plantando-se espécies pioneiras e clímax ao mesmo tempo de forma equilibrada. Garantindo que as pioneiras crescerão fornecendo sombra para as clímax, mas sem abafá-las.

No geral, podemos dizer que existem dois tipos de reflorestamento. Aquele com fim unicamente comercial, como reflorestamento de eucalipto ou madeira para extração de celulose, e aquele voltado para a recuperação de áreas degradadas ou criação de unidades de conservação, que não tem necessariamente um fim comercial.

No primeiro caso, a biodiversidade fica comprometida e o interesse é apenas garantir matéria prima de forma sustentável para as indústrias. Mas, no segundo caso, a preocupação está em se reconstituir a mata o mais parecido possível com seu estado natural a fim de preservar os lençóis freáticos, o solo e até mesmo a qualidade do ar. Assim, no segundo caso, deve haver a preocupação com a variedade de espécies plantadas, mas obedecendo-se a regionalidade, pois cada região do país possui um tipo de vegetação diferente de acordo com o clima, o solo, etc.