Aliança Bolivariana para as Américas

O conceito básico da Aliança Bolivariana para os Povos da Nossa América (Alianza Bolivariana para los Pueblos de Nuestra América) é a ajuda mútua entre os países situados na América Latina e Caribe, buscando aumentar a integração econômica, política e social entre estes territórios. Anteriormente conhecido como Alternativa Bolivariana para as Américas - ALBA - segue ideais de esquerda, diferindo de outros acordos comerciais como a ALCA (Área de Livre Comércio das Américas), que foi defendido pelos EUA nos anos 90.

Entre os principais objetivos buscados pela Aliança Bolivariana para os Povos da Nossa América estão o auxílio no campo econômico, troca mútua e o bem-estar social, elementos que diferem da liberação comercial capitalista. Entre outros aspectos, a ALBA-TCP abriu diálogo a respeito da introdução de uma moeda regional, que seria chamada SUCRE, seguindo conceito do euro empregado na União Europeia.

A história da Aliança Bolivariana para as Américas teve seu início no ano de 2004, quando foi realizado um acordo entre as seguintes nações latinas: Cuba e Venezuela. Assinado, respectivamente, pelos presidentes Fidel Castro e Hugo Chávez, o pacto entre as duas nações foi marcado pelo envio de médicos cubanos para auxiliar na saúde venezuelana. Em troca, a Venezuela enviou petróleo para Cuba.

De acordo matéria publicada no site da BBC Brasil no dia 5 de março do ano de 2013, " o bloco conta com a cooperação econômica da Venezuela - um dos maiores produtores de petróleo do planeta. Segundo analistas, Cuba é um dos países que mais depende da cooperação venezuelana. O governo de Raul Castro recebe cem mil barris de petróleo por dia com preços subsidiados. Havana retribui com serviços médicos". O texto ainda cita a morte de Hugo Chávez, em 2013, em  como um dos fatores que poderiam vir a enfraquecer o acordo econômico.

No ano de 2006, o presidente boliviano Evo Morales introduziu a Bolívia a ALBA-TCP por meio do Tratado do Comércio dos Povos, termo posteriormente adicionado ao nome do grupo, resultando na ALBA-TCP. A Aliança Bolivariana para as Américas é composta por oito nações, quatro delas apresentando governos com características socialistas, com exceção de Cuba, onde o socialismo é totalitário. Fora os três países pioneiros, Venezuela, Cuba e Bolívia, foram adicionados ao bloco Granadinas, São Vicente, Antigua e Barbuda, Equador, Dominica e Nicarágua. No ano de 2009, o acordo foi renomeado para Aliança Bolivariana para as Américas.

Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Alian%C3%A7a_Bolivariana_para_as_Am%C3%A9ricas
http://www.alianzabolivariana.org/
http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2013/03/130305_chavez_reacoes_al_mc.shtml

Arquivado em: Economia