Contabilidade Nacional

Por Emerson Santiago
O estudo da macroeconomia apoia-se no registro estatístico dos principais fluxos de produção e de renda. Este registro recebe o nome de Contabilidade Nacional, com normas e princípios, que seguem um padrão cada vez mais uniformizante no plano internacional. Os países desenvolvidos iniciaram a sistematização de tais registros a partir do impulso dado pelo teoria keynesiana, na metade do século XX, a partir da necessidade destes mesmos entes de quantificar a atividade econômica do modo mais rigoroso possível e traçar sua evolução ao longo do tempo.

Com o advento da crise de 1929 nos Estados Unidos, por exemplo, não havia dado confiável algum disponível tratando dos mercados, ou do emprego, ou abordando ainda o rendimento das famílias norte-americanas, ou outra importante variável econômica. Somente em 1941, o parlamento britânico irá convocar um grupo sobre o comando do mesmo John Maynard Keynes que será incumbido de elaborar uma série de quadros ilustrativos dos recursos produzidos e sua utilização enquanto consumo, despesas, doações e investimentos.

A primeira tentativa séria de uniformizar a base da contabilidade dos estados surgirá na publicação do "Sistema Simplificado de Contas Nacionais", pela OCEE (Organização para a Cooperação Econômica Europeia), antecessora da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico).

A contabilidade nacional irá lidar com basicamente três variáveis, que podem ser definidas, ainda que de uma maneira bem simples assim:

- renda - remuneração dada às famílias pela venda de seus fatores de produção às empresas; os conceitos derivados da renda, como a renda pessoal disponível e a renda de investimento serão úteis, principalmente o segundo, na aferição do crescimento econômico do país em determinado período. Partindo do modelo mais simples do fluxo de renda, é possível observar as identidades entre poupança e investimento, agregando ao mesmo tempo novos agentes (governo, resto do mundo) para obter versões mais detalhadas daquele fluxo e das relações entre seus componentes.

- produto - toda produção de bens e serviços finais de uma determinada economia; o cálculo do produto sob vários aspectos será importante para a contabilidade nacional, envolvendo o estudo do produto interno ou nacional; bruto ou líquido; a custo de fatores ou a preços de mercado; faz-se importante estabelecer ainda a diferença entre produto nominal e produto real, bem como a importância do estudo do PIB per capita (em latim: per capita = por cabeça).

- despesa - compra da produção de bens e serviços da economia nacional por meio dos agentes econômicos

Estas três grandezas são consideradas como possuidoras de uma identidade macroeconômica entre si. É com elas que o Estado trabalhará, fazendo uso da contabilidade nacional para conhecer melhor sua própria economia em uma maior dimensão.

Bibliografia:
NIZO, Rocco di. Aula 07 - Macroeconomia: Contabilidade Nacional. Disponível em <http://arquivos.unama.br/professores/iuvb/

Contabilidade nacional. Disponível em <http://pt.wikipedia.org/wiki/Contabilidade_nacional>. Acesso em: 08 set. 2011.