Esquema de pirâmide (prática comercial ou financeira ilegal)

Recebe o nome de "esquema de pirâmide" uma prática fraudulenta de captação de dinheiro, previsivelmente não-sustentável, e que depende do recrutamento progressivo de outras pessoas, até que se atinja um nível insustentável de dependentes. A principal característica de um esquema de pirâmide é que os participantes só ganham dinheiro atraindo novos membros, mas é matematicamente impossível que todo mundo obtenha vantagem com esta prática.

Esquemas de pirâmide existem há pelo menos um século e meio, e tal nome deriva da figura geométrica pirâmide, que ilustra perfeitamente como se estrutura a fraude. Supondo que uma pirâmide comece com uma pessoa no topo e que reúna, por exemplo, 10 pessoas abaixo desta, estas mais 100 debaixo destas, até que se atinjam dez níveis subsequentes, a pirâmide acumularia mais integrantes que a população total do planeta, com um único golpista no topo. Mesmo que não haja a intenção velada do iniciador do esquema de fraudar os aliciados, o desenrolar da operação acaba por extrair dinheiro ou benefícios através de um fluxo sem fim de novos "recrutas", sendo que alguém no final da pirâmide eventualmente pagará (sem nenhum benefício em troca) pelos lucros dos que estão acima.

Existem muitas variedades deste esquema, mas os dois mais frequentes são aqueles baseados em produtos e o chamado esquema de pirâmide nu.

Em um esquema de pirâmide nu, não é vendido produto algum:

  1. Uma pessoa convence dez outras a participar de uma "oportunidade infalível de investimento".
  2. Os dez recrutados pagam cada um R$ 100 ao recrutador inicial, num total de R$ 1000.
  3. O recrutador assim incita seus recrutados a atrair, cada um, dez novas pessoas para fazer o mesmo.
  4. No caso do sucesso de cada recruta, o lucro é de R$ 900 com um investimento de R$ 100.

Note que os dez primeiros recrutas já lucraram 100 a menos que o iniciador do esquema. Os que estão abaixo irão ganhar gradualmente menos, até que o lucro seja nulo em níveis mais inferiores da pirâmide.

Um esquema de pirâmide baseado em produto reúne o mesmo conceito, disfarçado de oportunidade legítima de vendas diretas. As principais características desta modalidade são:

  1. Um distribuidor reúne 10 vendedores, cada um pagando R$ 500 pelo seu kit inicial de produtos.
  2. O distribuidor recebe 10% do valor de cada kit inicial.
  3. O distribuidor também fica com 10% das vendas de cada produto, incluindo novos kits iniciais.
  4. Os recrutas são informados de que a maneira mais rápida de ganhar não é com a venda dos produtos, mas com o recrutamento de pessoas que comprem os kits iniciais.
  5. As pessoas no topo da pirâmide recebem comissões de todos seus subalternos.

O problema com a maioria desses esquemas baseados em produtos é que os produtos não vendem muito bem ou oferecem margem de lucro baixa. A única maneira de ganhar dinheiro é obter novos recrutas, e por fim, de maneira surpreendentemente rápida, o mercado se torna saturado, com gente demais tentando vender os mesmos produtos nada atraentes, não restando qualquer pessoa a ser recrutada.

O caso mais recente de um esquema como esse, no ramo financeiro, foi o de Bernard Madoff. O investidor americano captava dinheiro de pessoas, prometendo retornos acima da média. O problema é que os juros elevados eram pagos com dinheiro de novos investidores. Quando estourou a crise de 2008, muitas pessoas começaram a pedir resgates dos investimentos, e, com a captação baixa de novos investimentos, não havia dinheiro para pagar esses resgates. Estima-se prejuízo em mais de 50 bilhões de dólares.

Bibliografia:
PARODI, Lorenzo. Os Vários esquemas de "Pirâmide" e as oportunidades via Internet. Disponível em: <http://fraudes.no.sapo.pt/esquemas%20piramide.htm>. Acesso: 16/01/13.
ROOS, Dave. Como funcionam os esquemas de pirâmide. Disponível em: <http://empresasefinancas.hsw.uol.com.br/esquema-de-piramide1.htm>. Acesso: 16/01/13.

Arquivado em: Economia