História do Cartão de Crédito

O cartão de crédito tal como o conhecemos foi criado nos Estados Unidos, em 1950. Porém, ainda na década de 20, a idéia de dar crédito aos clientes fiéis já era colocada em prática por hotéis, postos de gasolina e outros tipos de comércio.

Mas a história do cartão de crédito teve início em um restaurante, na cidade de Nova York, em meados de 1950. O executivo Frank MacNamara e seus convidados, após um jantar no referido restaurante, perceberam que haviam esquecido talões de cheque e dinheiro, e, portanto, não tinham como pagar. Sem outra saída diante da situação, o dono do restaurante aceitou que o executivo pagasse a conta no dia seguinte, sob uma condição: que MacNamara assinasse a conta com as despesas. Resolvido o problema, o executivo se deu conta do potencial de um “cartão de crédito”.

No mesmo ano foi lançado o primeiro cartão de crédito, o Diners Club Card, a princípio aceito em 27 restaurantes do país, e, com aproximadamente 200 clientes (grande parte executivos conhecidos de MacNara) que utilizaram tal serviço para o pagamento de despesas em viagens. Inicialmente foi feito de papel cartão, tendo de um lado o nome do cliente, e do outro o nome dos estabelecimentos que o aceitavam. A partir de 1955, passou a ser feito de plástico.

Dois anos mais tarde, em 1952, foi emitido o primeiro cartão de crédito internacional, na época aceito principalmente em hotéis e restaurantes.

A idéia do cartão de crédito chegou ao Brasil em 1954, quando o empresário tcheco Hanus Tauber adquiriu a franquia do Diners Club nos Estados Unidos, e ofereceu sociedade ao empresário Horácio Klabin. O lançamento ocorreu em 1954, inicialmente como um cartão de compra, não de crédito.

Em 1960 o cartão de crédito já era aceito em mais de 50 países espalhados pelo mundo, e já com concorrentes: em 1958, havia sido lançado o American Express. Nesse mesmo ano, ao perceber que estava perdendo terreno, o Bank of America introduziu o seu BankAmericard, que, em 1977, passou a ser chamado de Visa.

Atualmente, existem vários tipos de cartões de crédito. Associações entre o comércio e as financeiras fazem com que as marcas de cartão de crédito se multipliquem. A maioria busca facilitar a vida do cliente, diminuindo o tempo antes gasto com a burocracia dos financiamentos. Porém, tal comodidade pode custar bem caro. As operadoras de cartão geralmente cobram uma taxa anual por seus serviços. Quando as faturas são pagas em dia, o uso do cartão de crédito não traz problemas. O grande “perigo” da comodidade dos cartões tem inicio quando o cliente paga apenas a taxa mínima estabelecida pela operadora. Os juros que incidem no restante da dívida são altíssimos, sendo comuns os casos em que a dívida vira uma “bola de neve”.

Arquivado em: Curiosidades, Economia