Rodada de Doha

A Rodada de Doha, chamada, oficialmente de Agenda Doha de Desenvolvimento, ou ainda de Rodada do Desenvolvimento, é uma negociação entre os países associados à Organização Mundial do Comercio (OMC), cujo objetivo é diminuir as barreiras comerciais, promovendo, dessa forma, a liberalização do comércio mundial.

O lançamento dessas negociações aconteceu em 2001, durante a 4ª Conferência Ministerial da Organização Mundial do Comércio (OMC) em Doha, no Qatar. Nessa ocasião, 142 países se prontificaram a incentivar o comércio internacional, e ainda buscar a redução de tarifas e subsídios que dificultam o livre comércio. A princípio as rodadas aconteceriam até 2005.

Os países que participam da Rodada de Doha podem ser divididos em dois blocos:

* Países desenvolvidos – Bloco composto pelos países mais ricos do mundo, destacando-se EUA, países da Europa e Japão
* Países em desenvolvimento – Bloco composto pelo G20 (os 20 maiores países em desenvolvimento), representados principalmente por China, Índia e Brasil.

O maior foco da discussão entre esses blocos são os subsídios agrícolas. Os paises em desenvolvimento sentem-se prejudicados pelos fortes subsídios e incentivos que os países ricos dão a seus produtos agrícolas. Reivindicam a diminuição dos impostos cobrados dos produtos agrícolas estrangeiros. Já os países ricos exigem uma maior abertura para seus produtos industrializados.

Dois anos se passaram sem que fossem cumpridos os prazos para a apresentação de fórmulas para a redução de tarifas agrícolas, dos subsídios agrícolas e incentivos internos. As negociações relacionadas aos produtos manufaturados e serviços também ficaram estagnadas.

No segundo encontro entre os representantes dos países, em 2004, na cidade de Cancun, no México, a proposta apresentada pelos EUA e pela UE foi rejeitada e criticada pelos países em desenvolvimento. Nessa ocasião foi criado bloco do G20, liderado pela Índia e pelo Brasil.

Em 2004, na cidade de Genebra (Suíça), foi esboçado um acordo para que a rodada fosse concluída em 2005. Porém, nesse acordo não foram abordadas as questões mais importantes e polêmicas.

O prazo estabelecido para o fim da rodada não foi cumprido. Em dezembro de 2005, na cidade de Hong Kong (China), os países participantes chegaram a um acordo, que estabeleceu que os subsídios agrícolas deverão ser eliminados até o ano de 2013. Em relação às tarifas e aos incentivos internos não houve acordo.

Em 2007, na cidade de Potsdam (Alemanha), representantes dos dois blocos se reúnem, mas a negociação fracassou.

Em 2008, após algumas tentativas de aproximação entre as partes, as negociações pararam, pois EUA e Índia não entraram em um acordo em relação aos incentivos internos e ao protecionismo agrícola.

Arquivado em: Economia