Modelagem, TICs e o Ensino da Matemática

Resumo

Neste trabalho evidencia-se a importância da modelagem matemática para o ensino da matemática, suas implicações, suas dificuldades e sua contribuição para a formação de alunos críticos e de professores pesquisadores e compromissados com a sua formação continuada. Faz-se um paralelo entre as tecnologias da informação e comunicação, a modelagem e o ensino da matemática em dias atuais. O compromisso do presente artigo é abordar os principais pontos dessas três vertentes educacionais para que se possa chegar aos seus entendimentos e poder usufrui-los em nosso cotidiano.

Introdução

A globalização de informações revolucionou a maneira como se entende os processos de ensino e aprendizagem. O ensino passa por uma nova reformulação e procura se adaptar as novas realidades da sociedade vigente sedenta por informações atualizadas em curtos espaços de tempo e com aplicabilidade imediata. Os profissionais da docência estão buscando capacitações propínquas para que possam alcançar os níveis de compreensão adequados às novas mídias de comunicação e estarem assim caminhando a passos iguais com os discentes caracterizados com as marcas da evolução digital do mundo contemporâneo.

Se o mundo passa por gigantescas reformas nas maneiras de transmissão de conhecimentos, é necessário que os profissionais da educação repense os métodos de ensino, as metodologias utilizadas, suas técnicas, seus conceitos, sua formação, em fim, suas práticas docentes.

A escola deve estar preparada para receber esses novos aprendizes, pois estes apresentam novas necessidades, novas demandas e novos conhecimentos extraclasses adquiridos por meio da vivência tecnológica e interacional. Para que isso aconteça, não deverá, sob hipótese alguma, haver a omissão do poder público, grande responsável pela disponibilização de recursos pedagógicos, formação continuada dos docentes, espaço físico adequado e salários compatíveis com a importância do professor no desenvolvimento da sociedade global.

A modelagem matemática [1]

Os modelos matemáticos nasceram da necessidade de explicar fenômenos externos a esse campo do saber por meio de métodos e conceitos matemáticos. Sendo assim, a modelagem é mais uma plataforma de conhecimentos que permite pegarmos um problema não matemático, abstrairmos os seus dados, convertê-los a um modelo matemático, resolvermos tal problema matematicamente e externarmos uma avaliação sobre os dados estudados.

É bastante crescente o desenvolvimento de estudos no campo da modelagem. Vários autores já escreveram sobre esse ambiente de aprendizagem[2] e suas implicações no meio educacional: compreensão de conteúdos transdisciplinares, dificuldades dos docentes em suas aplicações, sua complexidade na concepção dos alunos e várias outras temáticas que debatem esse tema tão relevante ao ensino da matemática moderna.

Criar modelos matemáticos não é uma tarefa fácil, mas através dos seus resultados pode-se chegar à compreensão de fatos até então implícitos do ponto de vista minucioso do saber. Poder chegar ao entendimento das manifestações decorrentes das mais diversas áreas do conhecimento humano, ser consciente dos seus processos evolutivos, ser capaz de realizar estimativas e discorrer sobre esses fatos, é sem dúvida gratificante e intelectualmente positivo.

Nessa ótica a modelagem consiste em uma ferramenta necessária ao desenvolvimento de habilidades cognitivas tendo em vista que leva a compreensão dos diversos fenômenos físicos ou naturais, bem como, suas aplicabilidades cotidianas.

As TICs [3]

Com o surgimento das Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs) tudo o que se conhecia por apetrechos tecnológicos teve uma nova reformulação, uma nova roupagem. Em definições não tanto formais temos que a Tecnologia é todo meio que se usa para facilitar a vida humana em seus múltiplos momentos; Informação é a disseminação dos conhecimentos pretéritos, presentes e futuros e a Comunicação é todo meio de interação, é a possibilidade do diálogo, é o meio pela qual a informação é disseminada.

As TICs facilitam o contato entre as pessoas, por mais distantes que estejam. Com o nascimento da Internet – mola mestra no concernente as TICs – a acessibilidade aos saberes acumulados tornou-se palpável e fora dos parâmetros que outrora pertenciam ao cume da pirâmide educacional. A escola já não é mais detentora dos saberes, os professores já não são mais transmissores de conhecimentos, os espaços educacionais sofrem mudanças precoces a fim de se adaptarem a nova realidade, os livros impressos começam a serem substituídos [4] por livros digitais, as mídias são inseridas nas salas de aulas através de computadores, data shows, TVs, DVDs, etc.

É muito importante frisar que o governo federal tem também distribuído notebooks e construído laboratórios de informática nas escolas levando a globalização de conhecimentos cada vez mais próximo do aluno. Esses acontecimentos fazem com que o professor sinta o perpasso do compromisso no cumprimento restrito dos conteúdos programáticos formais e atualizem-se tecnologicamente buscando nas TICs um novo horizonte do ensino e da aprendizagem. Ainda existe uma dificuldade predominante no contato dos docentes com as TICs, principalmente, pelo fato da atuação profissional num modelo escolar tradicional e ultrapassado. Na nova escola, as práticas docentes devem acompanhar as necessidades atuais dos alunos, devendo, para isso, haver um foco permanente na formação continuada dos atores da educação.

As TICs não são somente os computadores ou a internet. Elas também são representadas por qualquer meio facilitador da transmissão do conhecimento: livros impressos, caderno, caneta, lápis, quadro negro, etc. Para compreender melhor o porquê d’essas ferramentas serem caracterizadas como tecnológicas, basta voltarmos ao passado, na época em que escrevíamos em pedaços de argila, na areia ou realizávamos inscrições sobre ossos e veremos a revolução tecnológica que esses singelos mecanismos ofereceram a humanidade.

A modelagem matemática e as TICs

As TICs têm uma importância fundamental no desenvolvimento da modelagem, principalmente, com a chegada do computador como poderosa ferramenta de cálculo. Através dessa aliança tornou-se facilitada a manipulação de várias ferramentas matemáticas e suas aplicações sociais. Os matemáticos apoiam-se nas tecnologias para desenvolverem cálculos abstratos que antes eram realizados manualmente causando uma sensação enfadonha em seus propagadores.

Outro aspecto importante da chegada das TICs é a possibilidade de simulação de fenômenos naturais estudados no campo da modelagem matemática. Antes tínhamos que efetuar tais simulações alterando o meio ambiente ou manipulando elementos isolados da natureza, mas essas ações poderiam causar reações no percurso ingênito do ambiente estudado.

Os matemáticos baseiam-se na modelagem para explicar fatos não matemáticos. A modelagem ampara-se nas TICs - em especial no computador - para promover um estudo preciso e prático dos objetos em ação. A comunidade escolar realiza, através da modelagem e das TICs, a conversão de fatos corriqueiros a modelos matemáticos a fim de chegar à compreensão detalhada do evento em estudo. Como consequência disso tudo, tem-se uma sociedade crítica, analítica e reflexiva das coisas ao seu redor.

A revolução tecnológica e o ensino da matemática

A parturição das tecnologias da informação e comunicação no cenário educacional é vista através de vários horizontes e apreciada por vários estudiosos que procuram entender a sua essência. De um lado as suas facilitações e do outro suas dificuldades. Esses dois pontos de divergências dão o pontapé inicial para uma calorosa discussão relativa a essa nova realidade da educação do século XXI.

Referente ao educador matemático crê-se que ainda não esteja preparado para receber tamanha revolução nos métodos de ensinar, nos meios de aprender, nos conceitos e até mesmo no que se tinha como verdade. Essa avalanche de problemas está diretamente ligada às suas práticas docentes tradicionais e até mesmo a sua formação inicial, uma vez que os cursos de formação inicial de professores de matemática apenas pincelam leves conceitos sobre o que venha ser a modelagem matemática, bem como, a inserção das TICs na educação, suas aplicações e o uso das várias ferramentas tecnológicas disponíveis no mercado em dias atuais.

Do outro lado da fenda está o discente informatizado. Estes recebem conhecimentos sobre as tecnologias desde os primeiros anos de existência. Com o preço acessível dos computadores e o acesso à internet, esses discentes tomam posse de saberes que circulam nas teias da internet e que se atualizam a cada milésimo de segundo tornando-se capacitados para discutir sobre os diversos acontecimentos globais, praticamente, em tempo real. Mesmo os alunos que ainda não tenham computadores em suas residências, têm acesso a essa explosão de informações através de lan houses, celulares, notebooks, tablets, etc.

Os professores parecem não acompanhar esse frenesi constante das tecnologias informáticas que altera a cada instante o mundo como o conhecemos. Em relação à modelagem, os educadores deparam-se com enormes barreiras divisoras entre o querer ensinar e o poder ensinar. Essas barreiras vão desde a direção escolar, que muitas das vezes supervalorizam os conteúdos programáticos aplicados em seus moldes tradicionalistas, até os pais de alunos, que por vezes acham que a fuga da rotina escolar formal implica na perda de tempo no preparo dos seus filhos. Em meio a essa prensa está o professor, propagador do saber matemático, multiplicador de ferramentas facilitadoras do ensino, porém, barrado nas crateras formalistas da educação tradicional.

Sem dúvida houve uma revolução incomparável nos paradigmas da educação com a chegada das TICs aliadas a modelagem matemática. Mesmo com tantos entraves em suas aplicações, não se podem negar as facilitações que estas trouxeram para os processos de ensino e aprendizagem. Os data shows conjugados aos notebooks tornaram as aulas atrativas e compatíveis a linguagem dos novos alunos informatizados. Os computadores conectados a internet trouxeram facilidades nas simulações de fenômenos, na disseminação de conhecimentos produzidos no âmbito escolar e na comunicação, incentivando os jovens pesquisados a continuarem trilhando nos campos científicos e escolares. A modelagem aliada as TICs tornou possível à compreensão de fenômenos não matemáticos e suas explicações. Todas as ferramentas tecnológicas: livros, lápis, canetas, quadro negro, entre outras, são responsáveis pela mudança de caracterização do ensino da matemática – e das demais áreas do saber – em todas as suas manifestações e aplicações.

Considerações finais

A modelagem matemática como mecanismo de transformação do objeto de estudo em modelos matemáticos é ferramenta imprescindível para o entendimento das coisas em suas minúcias. A agregação da modelagem com as TICs tornaram-na praticável até mesmo pelos alunos da educação básica ou indivíduos da sociedade com um pouco de conhecimento da matemática elementar e de aplicações das ferramentas tecnológicas, sem contar com a rapidez de compartilhamento dos conhecimentos adquiridos por meio dos estudos de fenômenos modelados matematicamente. O uso das TICs no ensino da matemática requer sapiência e atualização constante por parte do professor, aluno, direção escolar, pais, em fim, toda comunidade escolar, pois só assim, teremos um ensino da matemática condizente com a modernidade dos fatos e com as necessidades dos discentes da era tecnológica. 

“Os saberes que viajam por ondas invisíveis modificam o mundo com rapidez incomensurável”.

Robison Sá.

Referências bibliográficas
BARBOSA, JONEI CERQUEIRA. Modelagem matemática e os futuros professores. Disponível em: http://www.uefs.br/nupemm/anped2002.pdf. Acesso em: 29 de agosto de 2012.
FERRETE, RODRIGO BOZI. Novas tecnologias aplicadas ao ensino da matemática. Aracaju: Gráf. UNIT, 2007. 96p.


[1] Utilizarei o termo modelagem para designar modelagem matemática e evitar redundâncias e a deselegância do texto.
[2] Ambiente de Aprendizagem define as condições sob as quais os alunos aprendem. Essa ideia foi defendida por Skovsmose em 2000.
[3] A sigla TICs indica Tecnologias da Informação e Comunicação. A sigla torna leitura mais fácil e agradável.
[4] É cada vez mais crescente o número de vendas de livros digitas pelas editoras do mundo inteiro.