Competências no Enem: Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos

Esta quinta competência a ser julgada é a produção de uma sugestão de ingerência para a questão enfocada na redação. Portanto, o aluno não deve se limitar a propor uma tese sobre a temática oferecida, com as respectivas argumentações concretas. Ele terá que apresentar um parecer com uma resolução para a questão, ou seja, precisará interferir no mecanismo que rege a sociedade.

Essa resposta para a problemática abordada tem que incidir sobre cada elemento enfocado nos argumentos. Desta forma a sugestão necessita preservar uma ligação estreita com a tese elaborada no discurso e uma incessante coesão em relação às alegações usadas no texto, uma vez que expõe o ponto de vista do autor sobre as prováveis resoluções para o problema debatido.

Esta interferência deve ser minuciosa, para que assim o leitor possa avaliar corretamente sua possibilidade de ser executada na prática. Por essa razão é necessário que ela englobe a enunciação da sugestão e os detalhes dos instrumentos que serão prescritos para sua concretização.

Esta intervenção na esfera social precisa traduzir sua experiência sobre o mundo, e a coesão será um dos elementos fundamentais no mecanismo de julgamento. Também é fundamental que ela se mantenha dentro dos parâmetros dos direitos humanos, melhor dizendo, não transgrida valores como cidadania, liberdade, solidariedade e diversidade cultural.

É melhor não utilizar sugestões imprecisas, muito generalizadas. O ideal é procurar proposições mais consistentes, peculiares, plausíveis com a articulação de seus conceitos. Recomenda-se que o estudante dê uma resposta a algumas questões: O que pode ser feito? A proposição que tenho a intenção de realizar é possível?

O julgamento da redação será, assim, baseado na composição de determinados princípios: apresentação de sugestão versus carência de sugestão; proposição ostensiva versus proposição subentendida; e proposta com recursos minuciosos para sua concretização versus proposta com ausência de explicitação dos instrumentos para sua prática.

Ao enfocar todos os elementos supostamente importantes para a sugestão apresentada, o estudante deverá, com certeza, ter arrolado algumas questões orientadas para um problema, um evento que poderá ser sanado, deslindado. Portanto, ao elaborar o desfecho da redação, a forma ideal de concluir é expor uma resolução para todos os itens vastamente debatidos. Se o aluno teceu os melhores argumentos de que dispôs, não achará difícil essa tarefa.

Resumindo, essa competência demanda do candidato mais que a defesa ardorosa de uma visão de mundo. O texto deve dispor de uma tese sustentada em argumentações concretas e também propor uma interferência na esfera social. É fundamental restringir o campo de execução da resolução, com a elaboração de proposições passíveis de serem colocadas em prática.

Veja as outras competências do Enem que são exigidas:

  1. Competências no Enem: Demonstrar domínio da norma padrão da língua escrita
  2. Competências no Enem: Compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento
  3. Competências no Enem: Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista
  4. Competências no Enem: Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação

Fontes:
http://download.inep.gov.br/educacao_basica/enem/downloads/2012/guia_participante_redacao_enem2012.pdf
http://archimedes.ne10.uol.com.br/blog/2012/09/21/o-que-e-avaliado-na-5a-competencia-da-redacao-do-enem-2012/

Arquivado em: Educação