Entre uma brincadeira e outra: educação, regras, jogos e aprendizagens nas em salas das Creches e Pré-Escolas

Por Izabel Antunes de Sousa
A história social da criança, Ariès (1978), mostra que a criança teve sua trajetória social marcada pela invisibilidade e pela não necessidade de educação fora do seio familiar.

Com a mudança da estrutura familiar, ingresso da mulher no mercado de trabalho, surgimento da burguesia, industrialização há uma ressignificação no processo de atendimento a criança pequena saindo da esfera doméstica, para um local especifico para estes os cuidados, educação, e desenvolvimento: A creche.

Até bem pouco tempo atrás o modelo de atendimento à criança de creche tinha foco no assistencialismo, com a nova (LDB 9394/96), em que se universaliza o direito da criança menor de 6 anos à educação, e incorpora o caráter educacional aos fazeres nas instituições que lidam com a criança pequena, instaura-se uma turbulência de transformações em todos os seus segmentos, exigindo representações de profissionais atuantes capazes de mesclar educação e cuidados aos seus fazeres.

Outro fato marcante na trajetória da criança é o fato desta ter sido tratada como adulto em miniatura, o que vem mudando, pois há no meio da educação infantil situações que revelam a busca por incluir o brincar como forma de atingir aprendizagens significativas.

Acredito que aos fazeres na sala de educação infantil as brincadeiras em sala devem ser criativas e dirigidas de maneira que ao contribuir no desenvolvimento estas possam satisfazer e reorganizar as situações de maneira que o momento vivenciado pela criança no CMEI, o que representa quase um terço de seu dia, não se torne opressor.

As necessidades das crianças de movimentar-se, socializar-se, brincar de faz de conta, desenvolver habilidades, ter noção clara de limites/regras, desenvolver coordenação motora, a liberdade, a higiene, a cooperação, as atividades lúdicas, de recreação evidencia-se nas crianças, para que se tornem autônomos.

Trabalhando os problemas a partir de propostas de atividades lúdicas, relacionando à formação de personalidade e de cidadania com autonomia, fazendo com que a própria criança apresente soluções, utilizando atividades de modelagem, expressão corporal, espelho, etc.

Despertar os seus interesses pela pintura, jogos, TV, videogames, jogos de imitação, jogos de competição, brincadeiras livres, histórias, fantoches, músicas, filmes e passeios, uma forma de superação. Ir além das potencialidades no representar, criar, recortar, criar jogos e brincadeiras, ressignificar e explorar coisas (jogo simbólico, desenhos, monta e desmonta). São atividades que devem ser exploradas nas Creches.

Este artigo traz uma lista de alguns brinquedos confeccionados em sala com crianças menores de seis anos envolvendo jogos e brincadeiras, com a utilização de materiais descartáveis, pois grande maioria dos espaços destinados ao atendimento aos pequenos ainda persiste a problemática da falta de materiais.

  • Com a utilização de jornais: Petecas, bonecas, bolas, mascaras, bichos, Leituras, escolha notícia por temas, montar e contar histórias com as gravuras.
  • Com a utilização de pet: Vai e vem, telefone, bilboquê, jogos de encaixe, bonecos, bolsinhas, porta trecos, flores, instrumentos sonoros
  • Caixa de ovos: Bichos, mosaicos, flores, estrelas.
  • Caixas: Personagens, jogos de encaixe, monta e desmonta, bichos, dominós, instrumentos sonoros, maquetes.
  • Tampinhas: Bonecos, jogos de damas, minhocas, mosaicos, flores, dominós.
  • Retalhos: Cenários, caixa teatro, bonecas, roupas e acessórios de moda, fuxico, personagens, livros.
  • Papelão: Camarim, cartões, livros, cenários, cenas, maquetes
  • Giz escolar: Desenhos no chão, obras de arte (molhado), mosaicos

REFERENCIA
ARIÈS, P. (1978) História Social da Criança e da Família. Rio de Janeiro: Zabar Editores.