Novo Enem

Por Fernando Rebouças
O novo Enem, a partir de 2009, é aplicado em dois dias, em provas aplicadas no mês de outubro e resultados divulgados em janeiro. Segundo o MEC, o conteúdo das provas será construído junto com as universidades federais que poderão adotar o resultado da prova como etapa de classificação em seus processos seletivos.

A prova será mais analítica e terá quatro competências: linguagens, códigos e suas tecnologias, ciências humanas, ciência da natureza e matemática, além da redação. O Enem valerá para qualquer universidade federal do país, o que ajudará o candidato a conquistar uma vaga no ensino superior.

O Ministério da Educação acredita que os vestibulares das federais prejudicam o candidato, que por questões financeiras, não consegue se inscrever em vários vestibulares.

O Enem como exame unificado de avaliação de ingresso nas universidades facilitaria o trabalho do governo na definição das políticas educacionais e conteúdo do ensino médio.

As universidades públicas poderão utilizar o resultado do Enem das seguintes maneiras:

  1. usar o Enem como prova única para a seleção de ingresso;
  2. substituir apenas a primeira fase do vestibular pelo Enem;
  3. combinar a nota do Enem com a nota do vestibular tradicional. Nesta modalidade, a universidade fica livre para decidir um percentual do Enem que será utilizado na média definitiva;
  4. usar o Enem como fase única apenas para as vagas ociosas da universidade.