SENAI

SENAI é a sigla correspondente a Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial, uma entidade criada a 22 de janeiro de 1942, pelo decreto-lei 4.048 de 22 de janeiro de 1942, por iniciativa do então presidente Getúlio Vargas. Sua criação tinha o objetivo de atender a uma necessidade premente: a formação de mão-de-obra para a incipiente indústria de base, fornecendo a instrução tão necessária para que os primeiros empregados da então nascente indústria brasileira pudessem dominar o ambiente de máquinas e tarefas desginadas. Já no momento em que a indústria "engatinhava" no Brasil, ficava claro que sem uma educação profissional não haveria desenvolvimento industrial a contento no país. É assim que os dirigentes da Confederação Nacional da Indústria (CNI), e da Federação das Indústrias de São Paulo, inspiraram-se na experiência bem-sucedida do Centro Ferroviário de Ensino e Seleção Profissional para implementar uma solução similar para o parque industrial brasileiro. Isso significava na prática que o empresariado assumiria os encargos, bem como a responsabilidade pela organização e direção de um organismo próprio, subordinado à CNI e às Federações das Indústrias nos estados para a preparação de profissionais que iriam ocupar cargos nas mesmas indústrias filiadas a estas associações. Assim, um mecanismo de auto-alimentação da indústria, onde havia cooperação em todos os setores permitiu o desenvolvimento, progresso e expansão do SENAI.

E é assim, que ao final da década de 50, quando o presidente Juscelino Kubitschek acelerou o processo de industrialização, o SENAI já estava presente em quase todo o território nacional e começava a buscar, no exterior uma melhor formação para seus técnicos. Logo, tornou-se referência de inovação e qualidade na área de formação profissional, servindo de modelo para a criação de instituições similares na Venezuela, Chile, Argentina e Peru.

A partir daí, o SENAI segue investindo em cursos sistemáticos de formação, intensificando o treinamento dentro das empresas e procurando parcerias com os Ministérios da Educação e do Trabalho, e com o Banco Nacional da Habitação (o extinto BNH). Durante a crise econômica da década de 1980, o SENAI passa a investir em tecnologia e no desenvolvimento de seu corpo técnico, expandindo a assistência às empresas, investindo em tecnologia de ponta e instalando centros de ensino para pesquisa e desenvolvimento tecnológico. Com o apoio técnico e financeiro de instituições de vários países da América do Norte e Europa, o SENAI a partir dos anos 90 passa a assessorar a indústria brasileira no campo da tecnologia de processos, de produtos e de gestão.

Hoje em dia, a média de 15 mil alunos dos primeiros anos cresce, convertendo-se em cerca de 2 milhões de matrículas anuais, totalizando aproximadamente 45,4 milhões de matrículas desde 1942. As primeiras escolas deram origem a uma rede de 696 unidades operacionais, distribuídas por todo o País, onde são oferecidos hoje mais de 2.200 cursos de formação profissional, além dos programas de qualificação e aperfeiçoamento realizados para atender as necessidades específicas de empresas e pessoas.

Bibliografia:
História. Disponível em <http://www.senai.br/br/institucional/snai_his.aspx>. Acesso em: 02 nov. 2011.

Arquivado em: Educação