Foliculogênese

Por Débora Carvalho Meldau
A foliculogênese é definida como o processo de formação, crescimento e maturação folicular, iniciando-se com a formação do folículo primordial e culminando com o estádio de folículo maturado, também chamado de folículo Graaf ou folículo dominante.

A função do folículo consiste em proporcionar um ambiente ideal para a manutenção da viabilidade, bem como o crescimento e a maturação do oócito. Sendo assim, a foliculogênese se dá simultaneamente à oogênese, quando o oócito se encontra entre as fases de prófase I e metáfase II, na maior parte das espécies. Ou seja, o início da oogênese precede o início da foliculogênese e só se conclui após  a ovulação do oócito e a posterior fecundação.

O folículo ovariano consiste em um oócito envolvido por uma ou mais camadas de células foliculares, também conhecidas como células da granulosa. Os folículos primordiais (formados durante a vida fetal) consiste em um oócito primário envolvido por uma única camada de células foliculares achatadas, sendo que a maior parte desses folículos se localiza na cortical do ovário, próximo à túnica albugínea.

A partir da puberdade, a cada dia um pequeno grupo de folículos primordiais inicia o processo de crescimento folicular, que compreende modificações dos ovócitos, das células foliculares e dos fibroblastos do estroma ovariano que envolve cada um desses folículos. Dentro do grupo de folículos primordiais, são escolhidos alguns, através de um mecanismo ainda desconhecido, para saírem do estado quiescente e entrarem na fase de crescimento, que é estimulado pelo hormônio folículo estimulante (FSH).

O crescimento do oócito é muito rápido durante a primeira parte do crescimento folicular. As células foliculares se dividem por mitose formando uma camada única de células cubóides e neste momento, o folículo passa a ser chamado de folículo primário unilaminar. A proliferação das células foliculares continuam dando origem à um epitélio estratificado conhecido como camada granulosa, sendo que o folículo passa a receber o nome de folículo primário multilaminar ou folículo pré-antral. Ao redor do oócito, é secretada uma camada de glicoproteínas, denominada zona pelúcida.

Ao passo que os folículos crescem, eles se movem para áreas mais profundas da região cortical e, uma certa quantidade de líquido, conhecido como líquido folicular, começa a se acumular entre as células foliculares. Os pequenos espaços que contêm esse fluído se unem e as células que fazem parte da camada granulosa se reorganizam dando origem ao antro folicular que é uma grande cavidade. Esses folículos passam a receber o nome de folículos secundários ou folículos antrais.

Durante a reorganização das células da granulosa para a formação do antro, algumas células dessa camada se concentram em determinado local da parede do folículo originando um pequeno espessamento, chamado de cumulus oophorus, que tem como função servir de apoio para o oócito. Além dessa estrutura, existe um grupo de células foliculares que envolvem o oócito, constituindo a corona radiata, acompanhando este quando ele sai do ovário devido à ovulação.

Ao mesmo tempo que ocorrem essas modificações, o estroma localizado ao redor do folículo se modifica para formar as tecas foliculares, que possui duas camadas: a teca interna e a teca externa. As células da primeira camada, quando completamente diferenciadas, apresentam características ultra-estruturais de células produtoras de hormônios esteróides. Estas células sintetizam a androstenediona (hormônio esteróide) que é transportada para as células da granulosa. Estas células, sob influência do hormônio FSH, sintetizam uma enzima que transforma a androstenediona em esteróide. Este, por sua vez, difunde-se até o estroma ao redor dos folículos, cai na corrente sanguínea e é distribuído por todo o organismo.

Geralmente, durante cada ciclo menstrual, um folículo cresce muito mais do que os outros, tornando-se o folículo dominante, que pode vir a alcançar o estágio mais desenvolvido e ovular, passando a ser chamado de folículo de Graaf ou folículo ovulatório. Os outros folículos que fazem parte do grupo que estavam crescendo com uma certa sincronia, entram em atresia. Como resultado do acúmulo de líquido, a cavidade folicular aumenta e a camada de células da granulosa da parede do folículo torna-se mais delgada. O processo total de crescimento folicular na mulher é de aproximadamente 90 dias.

Fontes:
http://www.glowm.com/index.html?p=glowm.cml/section_view&articleid=340

Histologia Básica – Luiz C. Junqueira e José Carneiro. Editora Guanabara Koogan S.A. (10° Ed), 2004.

Biotécnicas Aplicadas à Reprodução Animal – Paulo Bayard Dias Gonçalves, José Ricardo de Figueiredo e Vicente José de Figueiredo Freitas. Ed: 2° (2008). Editora Roca.