Escolha do Local (Energia Eólica)

Por Caroline Faria
A escolha de um local propício para a instalação de turbinas eólicas é uma tarefa bastante complexa uma vez que envolve a consideração de diversos fatores. Entretanto, existem alguns pontos principais que ajudarão a identificar o melhor local para instalação das turbinas eólicas como, morfologia do terreno, regime de ventos, localização do centro de consumo e a existência ou não de outros projetos já em funcionamento e que estejam próximos à região estudada. Estes fatores influirão direta ou indiretamente no rendimento e na vida útil do sistema instalado, sendo por isso, de extrema importância.

O primeiro fator a ser considerado é a localização do centro de consumo, pois, a menos que o objetivo do projeto seja para a geração de energia conectada à rede elétrica (o que permite um maior leque de opções), este, definirá a região a ser estudada uma vez que o local de geração não poderá ser muito distante para se evitar perdas e encarecimento das instalações. A escolha de um local próximo ao centro de consumo evita também que se tenha de instalar um equipamento com potência nominal muito maior do que o necessário (o que também seria mais oneroso) para compensar as perdas na transmissão. A existência de outros projetos bem sucedidos próximos à região visada pode ajudar na definição do local. Porém a comparação só é válida se ambos os locais apresentarem características de ventos e morfologia bastante semelhantes, além de ser próximos.

O segundo fator a considerar é o regime dos ventos (velocidade, freqüência, variações sazonais, turbulências), que varia de local para local. Algumas regiões (com terrenos planos ou pouco ondulados e com poucos obstáculos, assim como as regiões litorâneas – principalmente o litoral nordeste brasileiro, e regiões altas) costumam apresentar regimes de ventos bastante favoráveis, com velocidades médias relativamente altas e constantes e pouca ou nenhuma turbulência. Mas o regime de ventos também pode sofrer grandes interferências da morfologia do terreno como discutiremos a seguir.

Em regiões de topografia acidentada os ventos costumam sofrer o efeito de frenagem pelas montanhas ou elevações criando regiões de turbulência ou calmaria nos vales e nas encostas. Em contrapartida, no cume das elevações geralmente se encontram velocidades de vento maiores tornando-os bastante propícios para a instalação de turbinas eólicas, a não ser que ocorra o efeito de “canalização” do vento predominante (o que pode ocorrer em vales, cursos de rios, etc.), fazendo com que as maiores velocidades de vento ocorram nesses “canais” ao invés dos cumes. Outro fator que pode fazer com que a velocidade nas regiões mais baixas sejam maiores do que nos cumes é quando as cristas das elevações estão situadas longitudinalmente à direção do vento predominante. Além do relevo próprio da região outros elementos geográficos podem interferir no regime dos ventos diminuindo sua velocidade e causando turbulência. É o caso de prédios, construções e vegetação. Ou seja, tudo o que constituir barreira para a passagem dos ventos tem capacidade de interferir nele.

Estes fatores fazem com que nem sempre os locais mais altos sejam os mais propícios para a instalação das turbinas e interferem também na altura das mesmas a fim de reduzir o efeito da turbulência causada pelo terreno. Cabe analisar cada situação e região individualmente.

Energia Eólica

Fontes
NETO, P. A. B. Energia Eólica, UFLA/FAEPE, Lavras.
http://www.fem.unicamp.br
http://www.cresesb.cepel.br