Hilda Hilst

A poeta, escritora e dramaturga Hilda Hilst nasceu em 21 de abril de 1930, na cidade interiorana de Jaú, no Estado de São Paulo. Era a única filha de Apolônio de Almeida Prado Hilst, fazendeiro, jornalista, poeta e ensaísta, e de Bedecilda Vaz Cardoso. Quando ainda era muito nova, seus pais decidiram se separar, e assim ela se transferiu com a mãe para Santos. Seu pai passou boa parte da existência, a partir dos 35 anos, internado em um sanatório, na cidade de Campinas, pois era portador de uma esquizofrenia incurável.

Hilda estudou em colégio interno durante oito anos, transferindo-se em 1945 para o curso clássico do Mackenzie. Nesta época ela residia com uma governanta em um apartamento localizado na Alameda Santos. Ao completar 16 anos ela finalmente foi visitar o pai, recolhido em sua fazenda, mas ao fim de três dias ela não mais suportou as crises paternas.

Orientada pela mãe ela ingressa, em 1948, na Faculdade de Direito do Largo São Francisco, pertencente à Universidade de São Paulo, graduando-se em 1952. Este período acadêmico marcou o início de sua vida na boemia, estilo que ela preservou até 1963. Sua melhor amiga nos meios universitários foi a escritora Lygia Fagundes Telles, a quem ela foi escolhida para recepcionar em 1949, na Faculdade, quando ela lançou sua obra de contos O Cacto Vermelho.

Hilda era admirada e desejada por empresários, poetas, até mesmo Vinicius de Moraes, e artistas os mais diversos, por possuir uma beleza sem igual. Em 1950 ela publica sua primeira obra, Presságio, seguida de Balada de Alzira, editada em 1951. Com o término da Faculdade, ela lança Balada do Festival.

Em 1957 ocorre um fato curioso, a escritora parte para a Europa e vivencia um breve namoro com o ator Dean Martin. Ela segue se dedicando cada vez mais à literatura, inspirando seu primo José Antônio de Almeida Prado a compor a Canção para soprano e piano, entre outras obras, e influenciando também os compositores Adoniran Barbosa e Gilberto Mendes. No ano de 1966 ela toma uma decisão crucial em sua vida e na sua carreira literária, transferindo-se para a Casa do Sol, chácara localizada perto de Campinas, em busca da solidão para melhor desenvolver seu processo criativo. Ali ela reuniu, ao longo de muitos anos, escritores e artistas.

A escritora produziu uma vasta obra, por um período de quase cinquenta anos, recebendo por ela os prêmios mais importantes da Literatura e da Dramaturgia, como o Prêmio PEN Clube de São Paulo, pelo livro Sete Cantos do Poeta para o Anjo, e o Prêmio Anchieta pela peça O Verdugo.

Em 1968 ela se casa com o escultor Dante Casarini, passando a residir com ele no mesmo refúgio em que se encerrara para produzir sua obra, tão irreverente quanto o comportamento da escritora, muito moderno para sua época, abordando temas como o homossexualismo e o lesbianismo. Ela escreveu, entre outros, Presságio, Balada de Alzira Balada do festival, Roteiro do Silêncio, Trovas de muito amor para um amado senhor, Ode Fragmentária ( Poesia); Fluxo – Floema, Qadós, Ficções (Ficção); A Possessa, O rato no muro, O visitante (Teatro). Hilda Hilst partiu desta vida em 4 de fevereiro de 2004, em Campinas.

Arquivado em: Biografias, Escritores